Pular para o conteúdo principal

Sexo na escada


 
            Manter relação sexual é uma atividade que talvez tenha o maior número de expressões para designa-la; sinônimas, enfim. Compete com ela a pinga: cachaça, água que passarinho não bebe, pura, aguardente, “marvada”, “a que matou o guarda”, uca e outras mais. Também a casa de prostituição: zbm – zona do baixo meretrício, casa das primas, lupanar, conventilho, casa de tolerância e outras.
            Para a relação sexual, comecemos pela expressão que o Código Penal emprega para significa-la: conjunção carnal, conforme se pode constatar lendo-se os artigos 213 e 217-A, entre outros. A doutrina explica o que se deve entender pela expressão: relação sexual que acontece entre duas pessoas de sexos diferentes (“sexos opostos”?). “Fazer amor” é outra expressão, mas não é necessário que haja amor entre as pessoas, apenas apetite sexual. Assis Chateaubriand, aquele mesmo que montou, a partir do nada, um império de comunicação (teria sido o Rudolph Hearst brasileiro, antecessor de Roberto Marinho), consistente em jornais (“Diário de São Paulo”, “Diário da Noite”), revistas (“O Cruzeiro”, revista semanal que era o “it” da época), rádios (“Excelsior” e "Tupi") e foi o introdutor da televisão no Brasil, com a TV Tupi, cuja primeira transmissão se deu aos 18 de setembro de 1950 (no livro “Chatô, o rei do Brasil”, de Fernando Morais, é possível colher todos estes dados e mais, a foto da primeira transmissão, em que aparece Hebe Camargo – talvez a mais longeva na televisão), criou um verbo para significar a relação sexual: “furunfar”. Outra: amplexo sexual. Mais uma: congresso carnal (esta é de Julio Fabbrini Mirabete). Só mais uma: coito vaginal. A última: transar.
            Para significa-la existem também incontáveis expressões chulas, que, em respeito aos leitores, todas não serão expostas aqui. Há uma, todavia, e que dá a ideia de “subir” (os verbos são sinônimos), que foi levada “ao pé da letra” por um casal num dos edifícios mais icônicos de São Paulo, o famoso Copan. Acerca deste prédio, imenso, foram escritos inúmeros textos, feitas filmagens, mas, ao que se saiba, nunca tinha acontecido o episódio envolvendo um casal e a conjunção carnal: ele – o casal – foi surpreendido na escada “furunfando”.
            A envolvida concordou em falar (sob o manto do anonimato) a um dos órgãos de comunicação de São Paulo e narrou que, junto com o seu acompanhante, foi visitar uma amiga que ali reside. Passaram pela portaria e, em vez de se dirigirem ao apartamento da amiga, subiram ao último andar, e, com a libido nas alturas (literalmente...), foram aos “finalmentes” (como dizia o coronel Odorico Paraguaçu). Ali, enquanto estavam em pleno “amplexo sexual”, foram surpreendidos pelo vigia. Se foi um “coitus interruptus”, a notícia não explica, mas o prazer parece que não foi atingido por nenhum dos envolvidos. A punição: a moradora do apartamento foi multada em R$674,00 (infração gravíssima?). Quem recolheu a quantia foi a “coitada”.
            Como esses fatos bizarros têm sempre continuação, a envolvida no ato pagou a multa e postou no site “vakinha.com” um pedido para que a ajudassem a pagar a multa. Apurou míseros 20 reais e algumas frases de gozação.
            Pois é: a esta altura, o leitor já deve saber qual a expressão substitutiva da conjunção carnal que o casal praticou... 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …