Pular para o conteúdo principal

O ato médico e a "cura" gay


 
            Dias atrás, as casas legislativas federais realizaram dois feitos no exercício de suas atribuições e que, de alguma forma, têm algum ponto de contato. No Senado, em votação simbólica, foi aprovado um projeto que há dez anos ali tramitava e que define o “ato médico”, ou seja, quais atividades são privativas de quem tenha formação médica. Como de praxe, vai à sanção (não seria melhor dizer “dalila”...) presidencial. Como a unanimidade quase nunca existe (o que é bom, pois, como dizia Nélson Rodrigues, “a unanimidade é burra”), enfermeiros, fonoaudiólogos e psicólogos criticaram-no, dizendo que ele criará alguma dificuldade no exercício dessas profissões.
            Na mesma semana, a Comissão de Direito Humanos da Câmara dos Deputados, presidida pelo polêmico pastor Marco Feliciano, aprovou um projeto que permite, em síntese, a “cura gay” (expressão cunhada pela mídia). O projeto, que é de autoria do deputado João Campos (PSDB-GO), pretende suspender dois artigos de uma resolução do Conselho Federal de Psicologia, do ano de 1999, que impedem: a) que profissionais “tratem” homossexuais; b) que profissionais ajam coercitivamente impondo ao cliente terapia não solicitada. Foi aprovada na CDH e agora será encaminhada á Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania.  O caminho a ser percorrido é longo até a aprovação,  mas é bom ficar atento.
            Há muito tempo a opção (ou orientação) sexual deixou de ser considerada uma doença e isto representou uma evolução, todavia não tão grande se for lembrado que nas Ordenações Filipinas, que estiveram em vigor no território nacional do ano de 1603 até o ano de 1830, quando foi promulgado o Código Criminal do Império, o homossexualismo – chamado ali de “sodomia” como alusão à cidade bíblica Sodoma – era punido com a morte por fogo, para que o vento levasse as cinzas de da existência do “criminoso” não restasse lembrança. Poética e altamente simbólica essa pena: destruição total da pessoa sem que dela restasse um túmulo em que fosse lembrada. Porém, cruel e desumana.
            Deixou de ser crime, todavia passou a ser considerada doença, com classificação no CID – Código Internacional de Doenças, até que dali foi sacada. Andaram bem nesse caminho os psicólogos, recusando-se a “tratar” (e, consequentemente, curar) os homossexuais. O que talvez poucos saibam é que já houve um ataque do mesmo gênero promovido pelos parlamentares ligados à Igreja Universal do Reino de Deus: os pastores poderiam exercer atividade semelhante aos psicólogos (quem nunca assistiu – ou ao menos ouviu falar de um programa veiculado na madrugada chamado “fala que eu te escuto”?). Este ataque “morreu no ninho” e é nítido que se pretendia com ele.
            Vem agora outro evangélico querer encarar os homossexuais como doentes e permitindo que eles sejam “tratados” e “curados”. Este evangélico, é bom que se saiba, não se autonomeou presidente da Comissão de Direitos Humanos: ele foi posto ali graças ao PT, PV, PSDB que, se não fizeram nada positivo, foram omissos, pois tinham direito a ocupar a presidência da comissão. Ademais, o partido a que pertence o pastor, o PSC, ajuizou ação no STF contra norma do CNJ acerca de casamento entre homossexuais. Ele está apenas seguindo as diretrizes de seu partido. “Façamos o que o mestre mandou."
            O preço da liberdade é a eterna vigilância: não se pode descuidar, pois Marco Feliciano está disposto a tudo nesse afã de "tratar" (e "curar") os homossexuais.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …