Pular para o conteúdo principal

Protestos



                        Minha família mudou-se para Campinas exatos vinte dias antes que eu completasse 16 anos: era o dia 4 de fevereiro de 1964. Pouco mais de um mês após, houve o golpe militar: as lembranças estão nítidas até hoje na minha memória. As rádios AM transmitindo ao vivo a movimentação dos militares e a resistência de alguns poucos. Passando defronte ao prédio dos Correios e Telégrafos dias após, um carro de combate (tanque de guerra, no jargão popular) do 1º BCCL estacionado na calçada: eu mal imaginava que 3 anos depois eu estaria dirigindo um desses blindados.
                        Quando começou a repressão, o que se deu imediatamente após o golpe, vivíamos a “era Beatles”: a moda era usar “cabelão” e eu, claro, a seguia. Seguindo ainda os Beatles, foi incrementado o uso de entorpecente. Os militares – Campinas tinha 2 quartéis: 1º BCCl (Batalhão de Carros de Combate Leves) e 9º GCAn (Grupamento de Canhões Anti-aéreo) – patrulhavam as ruas de Campinas e, associando o consumo de droga com os cabelos compridos (“capelli lunghi non porta più”, dizia uma música italiana de muito sucesso), prendiam os “cabeludos” e os levavam aos quartel para “rasparem” os cabelos. Eu apanhava o ônibus 4-Guanabara, ao sair da aula (estudava, período noturno, no Colégio Cesário Motta, onde hoje é o Pão de Açúcar do Cambuí), num ponto ao lado do fórum e quando uma viatura do exército entrava nessa rua vindo da José Paulino, a saída era correr.
                        Em 1967 fui chamado a prestar o serviço militar e foi justamente no 1º BCCL – fui designado motorista de carro de combate. Um domingo de junho, 1968, fui convidado por uns amigos para ir a uma festa junina: fomos e, claro, consumi vinho quente e quentão. Fiquei meio “alto”. Cheguei em casa por volta de meia-noite (precisava acordar as 5 da manhã para ir ao quartel) e por volta de 2 horas da madrugada meu pai me acordou: havia uma viatura do exército me chamando. Vesti minha farda e fomos ao quartel: o QG do 2º Exército, no Ibirapuera havia sido atingido por uma caminhonete Chevrolet carregada de dinamite e morreu um soldado – Mário Kozel Filho – que tinha a mesma idade que eu. Quem promoveu o atentado foi o grupo “terrorista” a que pertencia a militante Estela, de nome real Dilma. Fomos para São Paulo na segunda-feira com os carros de combate num trem chamado “auto-trem” e chegamos na estação da Lapa, mas não tivemos autorização para desembarcar. Ficamos até a quinta-feira com a mesma farda, dormindo sentados dentro dos carros de combate e fazendo a higiene nos banheiros dos vagões de passageiro. Como não houve mais ataque, voltamos para Campinas mas não tivemos ordem para desembarcar: dormimos mais uma noite daquela forma.
                        Vivi os dois lados: fugindo da repressão e depois servindo numa instituição que a fazia. Quando veio a democracia, foi uma vitória, mas não para chegar no ponto que chegou: corrupção desenfreada. Talvez por ter vivido tudo isso é que me emocionei hoje, vendo jovens com cartazes pedindo o que é normal numa democracia: saúde, educação, segurança, menos corrupção.
                        Será necessário outro movimento, desta vez não de fardados – vamos às ruas.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …