Pular para o conteúdo principal

A mídia e os nomes dos crimes


  





            O nome (título) do crime, chamado pelos juspenalistas de “nomen juris”, é um importante elemento na interpretação da lei penal: ele geralmente vem numa rubrica lateral ou acima da descrição típica e auxilia grandemente a entender e delimitar o exato alcance do tipo. Por exemplo, acima da descrição contida no artigo 289 está escrito “moeda falsa”- este é o nome desse delito contra a Fé Pública. Há alguns artigos do Código Penal em que, talvez por descuido de quem redigiu o projeto (Alcântara Machado) ou pelos membros da comissão (Hungria, Lyra, Queiroz e Braga) que o reviu, que não têm nome. Exemplos: o artigo 343, que é uma modalidade de corrupção passiva “especial”,  já que é dirigida a funcionários públicos específicos (testemunha, perito, contador etc.).
            O crime – entenda-se Direito Penal – há muito tempo tornou-se o assunto de mais destaque da mídia. Para comprovar esse fato, basta ligar a televisão em qualquer emissora e assistir ao principal telejornal, o veiculado em horário nobre: as principais manchetes referem-se a crimes. Sem contar que existem programas, sensacionalistas até a medula, cuja matéria-prima é o crime.
            Isso tem alguma utilidade, descontada a parcela de sensacionalismo que acaba representando um julgamento – e a consequente condenação – do (simples) suspeito. A utilidade reside no fato de que uma das finalidades da pena – a prevenção geral – precisa ser atingida e nada melhor do que a mídia para fazer esse trabalho. É necessário que os, por assim dizer, “potenciais” criminosos sejam desestimulados da (possível) prática de delitos e nada melhor do que informa-los da punição dos que cometeram delitos.
            Mas a mídia tem o mau hábito de inventar nomes para crimes e, de tanto repeti-los, caem no gosto popular. Um dos exemplos bem da atualidade: o crime previsto no artigo 288 do Código Penal chama-se “quadrilha ou bando”, cujo teor é este: “associarem-se mais de três pessoas, em quadrilha ou bando, para o fim de cometer crimes”.  O verbo do tipo, como os sujeitos devem ser (no mínimo) quatro, está no plural e é “associar-se”. Pois a mídia modificou o nome do delito, chamando-o de “formação de quadrilha”: não há, no tipo, o verbo “formar”.
            Outro delito a que a mídia deu um nome diferente daquele que consta no Código Penal é o homicídio, infinitas vezes chamado de “assassinato”. Sim, é certo que em outros países existe, além do crime de homicídio, o de assassinato: é que nesses Estados o que para nós é o homicídio “qualificado”, para eles é o “assassinato”, e o que é para nós homicídio simples para eles é homicídio.
            O mais comezinho dos equívocos é que se refere ao furto e roubo: nesta, há o emprego de violência ou grave ameaça a pessoa para que se possa realizar a subtração, ao passo que naquele não: a subtração da coisa (alheia móvel) se dá “pacificamente”, ou seja, sem que haja o emprego de violência ou grave ameaça a pessoa.
            O mais grave equívoco de todos é o que se refere a pedofilia: não existe nenhum crime no Código Penal, nem nas leis extravagantes (no sentido técnico – vagando fora da espécie, ou seja, fora do local em que deveriam estar, que é o Código Penal) que tenha esse nome. Mas a mídia inventou-o e todas as ações delituosas que envolvam sexo e criança ou adolescente são estampadas nos jornais como “pedofilia”. Dentro desta mistura, criança ou adolescente e sexo, a mídia inventou outros crimes, como, por exemplo, o “abuso sexual” (creio que este nome é utilizado inconscientemente como sinônimo de “estupro de vulnerável”).
            A mídia é tão poderosa nessa tarefa de inventar e deturpar nomes de crimes que já conseguiu que, numa alteração legislativa ocorrida no Código Penal no ano de 1995, o nome do delito acabou sendo modificado: aquilo que se chamava “exploração de prestígio” passou a se chamar “tráfico de influência”, nome empregado pela mídia para noticiar aquele delito. Tal qual faz hoje com o crime de quadrilha ou bando, chamando-o de “formação de quadrilha”.

A imprensa, agora abolida, foi um dos piores males do homem, já que tendeu a multiplicar até a vertigem textos desnecessários - Jorge Luis Borges, O livro de areia.


           

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto