Pular para o conteúdo principal

A violação do sigilo da votação






 
                        As votações dos jurados são secretas (a sala onde elas se realizam tem o icástico nome de "sala secreta") e todo o cuidado é tomado para que nunca se saiba qual jurado absolveu, qual jurado condenou. É óbvio que se a condenação – ou a absolvição – se der por unanimidade, sabe-se imediatamente como votou cada jurado. Quando foi promulgada a Constituição de 1988, em razão de dispositivo afirmar que “todos os julgamentos dos órgãos do Poder Judiciário serão públicos”, houve quem entendesse que estava extinta a figura da sala secreta, local em que se realizam as votações no Tribunal do Júri. A idéia, porém, não floresceu.
                        Quando dois senadores da república – um deles ocupava a presidência dessa casa legislativa – foram obrigados a renunciar senão seriam processados por violação do decoro parlamentar por terem violado o sigilo numa das votações – coincidentemente, que decidia sobre a cassação do mandato de outro senador – no Tribunal do Júri da comarca de Campinas ocorreu situação semelhante: a violação do sigilo da votação.
                        Dois réus estavam sendo processados sob a acusação da prática de um homicídio qualificado e a vítima era um menor de idade; havia um componente de entorpecente envolvido no delito. Os dois réus coincidentemente se chamavam Paulo: um era primário e de bons antecedentes, ao passo que o outro havia se envolvido em outros delitos após o homicídio e na época de seu julgamento estava preso em Bauru, acusado da prática de roubo com emprego de arma contra um supermercado; tendo a AJ assumido a defesa de um deles, a sua irmã esteve ali para informar que o Paulo de bons antecedentes havia sido julgado – o processo fora desmembrado – dois meses antes e fora absolvido. Imediatamente, fui ao cartório da Vara do Júri para ler o processo: o co-réu fora mesmo absolvido e por unanimidade (sete votos a zero). Uma contagem dessas é significativa de que o Ministério Público pode ter requerido a absolvição do acusado; mas isso não é absoluto. Li a ata: o Promotor de Justiça pugnara pela condenação do acusado. Fora fragorosamente derrotado. Providenciei cópia de tudo que se referia àquele julgamento – algo em torno de 40 páginas – e requeri a juntada do calhamaço aos autos desmembrados, referentes ao Paulo que eu iria defender.
                        No dia do julgamento em plenário, o Promotor de Justiça, quando estava encerrando a sua fala, em que pedira a condenação do réu, disse aos sete jurados: “os senhores verão que a defesa vai dizer que o co-réu foi absolvido e por unanimidade; mas eu vou relatar algo para os senhores: os jurados me contaram que absolveram o co-réu por ele ser primário”. Incontinenti, requeri que tal afirmativa, absurda sob todos os aspectos, ficasse constando na ata, pedido prontamente deferido pelo magistrado que presidia o julgamento.
                        Indo à sala secreta, os jurados condenaram Paulo; interpus recurso de apelação, requerendo, em matéria preliminar, que o julgamento fosse anulado em virtude da conduta, além de tudo, anti-ética do membro do Ministério Público, e o Tribunal de Justiça, por votação unânime, deu provimento ao pedido, anulando o julgamento e determinando que o réu fosse novamente julgado.  

(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", Editora Millnennium.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …