Pular para o conteúdo principal

A violação do sigilo da votação






 
                        As votações dos jurados são secretas (a sala onde elas se realizam tem o icástico nome de "sala secreta") e todo o cuidado é tomado para que nunca se saiba qual jurado absolveu, qual jurado condenou. É óbvio que se a condenação – ou a absolvição – se der por unanimidade, sabe-se imediatamente como votou cada jurado. Quando foi promulgada a Constituição de 1988, em razão de dispositivo afirmar que “todos os julgamentos dos órgãos do Poder Judiciário serão públicos”, houve quem entendesse que estava extinta a figura da sala secreta, local em que se realizam as votações no Tribunal do Júri. A idéia, porém, não floresceu.
                        Quando dois senadores da república – um deles ocupava a presidência dessa casa legislativa – foram obrigados a renunciar senão seriam processados por violação do decoro parlamentar por terem violado o sigilo numa das votações – coincidentemente, que decidia sobre a cassação do mandato de outro senador – no Tribunal do Júri da comarca de Campinas ocorreu situação semelhante: a violação do sigilo da votação.
                        Dois réus estavam sendo processados sob a acusação da prática de um homicídio qualificado e a vítima era um menor de idade; havia um componente de entorpecente envolvido no delito. Os dois réus coincidentemente se chamavam Paulo: um era primário e de bons antecedentes, ao passo que o outro havia se envolvido em outros delitos após o homicídio e na época de seu julgamento estava preso em Bauru, acusado da prática de roubo com emprego de arma contra um supermercado; tendo a AJ assumido a defesa de um deles, a sua irmã esteve ali para informar que o Paulo de bons antecedentes havia sido julgado – o processo fora desmembrado – dois meses antes e fora absolvido. Imediatamente, fui ao cartório da Vara do Júri para ler o processo: o co-réu fora mesmo absolvido e por unanimidade (sete votos a zero). Uma contagem dessas é significativa de que o Ministério Público pode ter requerido a absolvição do acusado; mas isso não é absoluto. Li a ata: o Promotor de Justiça pugnara pela condenação do acusado. Fora fragorosamente derrotado. Providenciei cópia de tudo que se referia àquele julgamento – algo em torno de 40 páginas – e requeri a juntada do calhamaço aos autos desmembrados, referentes ao Paulo que eu iria defender.
                        No dia do julgamento em plenário, o Promotor de Justiça, quando estava encerrando a sua fala, em que pedira a condenação do réu, disse aos sete jurados: “os senhores verão que a defesa vai dizer que o co-réu foi absolvido e por unanimidade; mas eu vou relatar algo para os senhores: os jurados me contaram que absolveram o co-réu por ele ser primário”. Incontinenti, requeri que tal afirmativa, absurda sob todos os aspectos, ficasse constando na ata, pedido prontamente deferido pelo magistrado que presidia o julgamento.
                        Indo à sala secreta, os jurados condenaram Paulo; interpus recurso de apelação, requerendo, em matéria preliminar, que o julgamento fosse anulado em virtude da conduta, além de tudo, anti-ética do membro do Ministério Público, e o Tribunal de Justiça, por votação unânime, deu provimento ao pedido, anulando o julgamento e determinando que o réu fosse novamente julgado.  

(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", Editora Millnennium.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto