Pular para o conteúdo principal

Muito barulho por... quase nada.



                        As redes sociais (não sei o motivo da expressão vir no plural, pois, em geral, rede social é sinônimo de Facebook – aliás, o filme que retrata a criação do Facebook tomou esse nome em português: “A rede social”[lembrando sempre que ele foi criado por Mark Zuckerberg e o brasileiro – paulista - Eduardo Saverin) foram “bombadas” com incontáveis ofensas endereçadas ao Deputado Donadon e à Câmara dos Deputados; a mídia em geral abriu manchetes noticiando o acontecimento, como se fosse – e, em certa medida, é – algo desavergonhado: a “absolvição” do deputado, não cassando os seu mandato, depois de ele haver sido condenado pelo Supremo Tribunal Federal e ser encarcerado no presídio da Papuda.
                        Foi muito barulho por pouco: nada que possa tirar o sono de quem quer que seja, por algumas razões. Uma delas: até então não havia consenso, quer entre os juristas (constitucionalistas e penalistas), quer entre os ministros do Supremo acerca da perda do mandato eletivo em caso de condenação criminal. Esta perplexidade talvez pudesse ser explicada pelo seguinte: o Código Penal, cuja Parte Especial é de 1984, determina a perda do mandato eletivo como efeito não automático da condenação nos crimes praticados contra Administração Pública (mesmo caso de Donadon). Porém, a Constituição Federal, que é de 1988, determina entre as hipóteses de perda de mandato a condenação criminal, hipótese em que a casa legislativa a que pertence o parlamentar deverá proceder à cassação. No conflito entre as duas leis, prevalece a segunda (Constituição), não apenas por questão temporal, mas sim de hierarquia. José Afonso da Silva, emérito constitucionalista, afirma que a mesa diretora deve somente “sacramentar” a perda do mandato. Os ministros da suprema corte, por maioria, porém, decidiram que cabe à casa legislativa a tarefa de cassar o mandato, remetendo a questão ao regimento.
                        A Câmara dos Deputados incontinenti instaurou o processo de perda de mandato, submetendo o caso à votação (secreta) dos parlamentares e o resultado é sabido de todos. Pelo fato de ser secreta, aliado a outro, o de pertencer o deputado à chamada “bancada evangélica” (que, todavia, não segue os preceitos evangélicos, como, por exemplo, “não furtarás”), resultou na não cassação. Alguns mensaleiros, que estão na beira do precipício, aproveitaram a “deixa” para se absterem.
                        Qual é o problema de não ter sido cassado o mandato? A meu ver, nenhum de grande importância. Mostrou, mais uma vez, que a Câmara é indomável e que ali estão muitas pessoas indignas de exercerem um mandato, em outras palavras, fazerem lei  – aqui, nada de novo.
                        Ele manteve o mandato porém está impedido de exercê-lo, já que se encontra cumprindo pena em regime fechado. Isso deverá motivar outro processo para a cassação, desta vez por estar impedido de exercer o mandato. Atingindo um determinado número de ausências injustificáveis, ele perderá o mandato, e, desta vez, não será pelo plenário, mas somente pela mesa diretora.
                        Se o povo brasileiro soubesse votar, talvez extraísse deste episódio uma grande lição – mas confesso que agora estou tendo um delírio.

Foto: Leonardo Prado

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …