Pular para o conteúdo principal

Desmascarando-se






                        Era tarde da noite: eles chegaram ao bar, com cadeiras e mesas na parte externa, ambos com os rostos cobertos por camisetas, à guisa de máscaras, ambos armados e foi dada a ordem: “todos no chão, é um assalto”. Todos os presentes deitaram-se no chão, de bruços. Um daqueles mascarados fez vários disparos contra uma das pessoas; não contente em atingi-la, desferiu pontapés em seu rosto; ainda descontente, atirou-lhe um tijolo baiano no rosto. Quando se retiravam do local, um daqueles “assaltantes” – nada porém foi levado, já que o “assalto” era uma simulação – retirou a camiseta que escondia o seu rosto; foi a sua perdição: ao ouvirem o som do primeiro disparo, dois frentistas de um posto de um gasolina nas imediações correram ao local e viram quando aquela pessoa retirava a camiseta que lhe escondia a face e viram-na.
                        A polícia investigou e conseguiu chegar a um dos autores do fato, precisamente o que havia feito os disparos, chutado o rosto da vítima e atirado nela um tijolo baiano. Descobriu que entre ele e o morto – que trabalhava num posto de gasolina – havia ocorrido um desentendimento. Decretada a prisão temporária, depois a prisão preventiva, ele sempre negava a prática do fato.
                        Depois de processado e pronunciado, o seu advogado renunciou ao mandato e, não tendo o acusado constituído defensor, foi nomeada a PAJ para defendê-lo. Tão logo tomei ciência da nomeação, estive no presídio para conversar com ele e, inicialmente, ele negou haver sido o autor do crime. Disse-lhe que havia uma testemunha que o reconhecera, pois vira quando ele, deixando o local do crime, retirara a camiseta que lhe escondia o rosto. Indaguei se ele não havia cometido o crime e a resposta foi negativa. Se tivesse sido ele, talvez houvesse explicação para a fúria com que ele agredira e matara a vítima.
                        Requeri ao juiz a reprodução simulada dos fatos (“reconstituição”) a partir da visão da testemunha “ocular”, que deveria ser feita no mesmo horário, a fim de que fosse a mais fiel possível. Para decepção, o local havia sido demolido: a “reconstituição” foi realizada, porém infrutífera.
                        No dia do julgamento, fui conversar com ele na cela do primeiro andar do fórum e ele me perguntou se teria algum efeito ele admitir perante os jurados ter sido o autor do crime. Respondi-lhe que, àquela altura, já tendo negado por duas vezes, os jurados dificilmente acreditariam nele.
                        Familiares da vítima, portando fotos ampliadas, sentaram-se nas primeiras fileiras do salão do júri e a todo o tempo exibiam-nas aos jurados.
                        A única tese cabível era a negativa de autoria – uma das mais difíceis, especialmente quando há testemunha “ocular” – e foi por mim sustentada em plenário. Porém, os jurados, por seis votos a um, reconheceram ter sido o réu o autor daquele grave crime.
                        Não restou alternativa ao magistrado se não impor ao acusado a pena de 14 anos de reclusão.

(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", Editora Millennium.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …