Pular para o conteúdo principal

O roubo, a câmera e a reação



            “Bombou”, nas redes sociais (entenda-se: Facebook e Twitter), nos portais, nos telejornais, enfim, em toda a mídia, a gravação em vídeo de um roubo qualificado pelo emprego de arma (de fogo) e concurso de pessoas de uma motocicleta, que, graças à intervenção de um oficial da Polícia Militar que passava pelo local, não chegou a consumar-se, pois um dos ladrões, o que estava armado e havia se apossado do bem, foi atingido por projéteis disparados pelo policial.
            O evento pôde ser gravado porque o motociclista vítima tinha acoplada ao seu capacete uma câmera que está muito em voga na atualidade: uma Hero (são vários modelos; a Sony tem um modelo que concorre com essa marca). Pela gravação vê-se a ousadia com que agem os ladrões de moto (e de todos os veículos, diga-se), interceptando a vítima, em plena luz do dia e num cruzamento movimentado da cidade, segurando no guidão do veículo e, com a arma apontada para o rosto do sujeito passivo, ordena a entrega do veículo. A cena me fez lembrar os programas veiculados nos canais Animal Planet, Discovery Channel ou NatGeo sobre predadores na África: hiena “roubando” a presa que o leopardo (ou o guepardo) abateu, ou os leões (e, principalmente, as leoas) “roubando” as presas desses predadores. Ou os ursos no Alasca “roubando” salmões uns dos outros. Um penalista italiano antigo dizia que o crime é uma regressão atávica e eu acrescentaria: regressão animal. Caído no chão, acabou a empáfia e a ousadia do ladrão e ele passou a falar como um autêntico egresso da Fundação Casa ou do sistema carcerário, sempre colocando nas frases a palavra "senhor", como a demonstrar respeito, respeito esse que ele não teve enquanto dominava a situação, enquanto agia como predador.
            Todas as pessoas que se veem nessa situação de vítima, creio, o primeiro pensamento que têm é não sofrer dano pessoal e o segundo é na polícia. Pois não é que se materializou um policial militar e “deu voz de prisão” ao ladrão e, ante o seu gesto de que iria sacar a arma (a mesma que utilizara na rapina), fez alguns disparos contra ele, atingindo-o duas vezes. A não ser que os meus olhos tenham me enganado, vi no gesto do militar um exemplo claro de legítima defesa de terceiro e própria: reação a uma agressão atual (o roubo ainda não se consumara), injusta, uso moderado dos meios necessários. Legítima defesa própria se deu na modalidade agressão iminente, pois o rapinante fez menção de empunhar a arma. Ressalto o seguinte: ele não efetuou os disparos para impedir o roubo, mas sim ante a tentativa do ladrão de empunhar a arma de fogo que portava. Se fosse apenas para impedir a subtração, talvez não se pudesse falar em legítima defesa, mas este é outro assunto.
            O vídeo “bombou” nas redes sociais: qual a razão disto? É que as pessoas não suportam mais a situação de descontrole da violência, o estado de intranquilidade em que se vive atualmente, com a criminalidade atingindo níveis estratosféricos, a cada dia surgindo uma nova modalidade de ataque ao patrimônio. Furtos em caixas eletrônicos, “saidinha” de banco, roubos e furtos de veículos, gang da marcha à ré, sequestros relâmpagos, arrastões. Tudo isso ocorrendo num país que tem uma das maiores tributações do mundo e que não é revertida em benefício dos cidadãos;  serviços igualmente caros, como, por exemplo: nesta “terra descoberta por Cabral”, o minuto da telefonia celular é o mais caro do mundo.
            Pois é: esperamos todos que, se – toc-toc-toc na madeira – formos vítimas de um crime um dia, um policial esteja passando pelo local e, tal qual um anjo da guarda, nos livre do mal, amém.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …