Pular para o conteúdo principal

Sucessão de bondades



            Kant disse que a “gratidão consiste em honrar uma pessoa devido a um benefício que ela nos concedeu” (“A metafísica dos costumes”, página 201). Nada mais justo e correto honrar uma pessoa devido a um benefício por ela a nós concedido. E quando essa forma de honrar consiste em proporcionar um benefício a alguém sem esperar qualquer gratidão em resposta ao ato praticado?
            Essa pergunta tem me ocorrido de alguns meses até esta data em virtude de alguns fatos de que tenho tomado conhecimento – e parece uma corrente, uma sucessão de bondades que está, no bom sentido, assolando o mundo.
            A primeira manifestação de bondade, de “fazer o bem sem olhar a quem”, nos dizeres do vetusto ditado popular,  de que tive conhecimento foi a do “café suspenso”. Numa cafeteria de uma cidade da Itália uma pessoa pediu dois cafés, um para ele e o outro “suspenso”. Tomou o seu café, pagou pelos dois e retirou-se. A cena repetiu-se outras vezes. Tomado de curiosidade, a pessoa que havia presenciado os episódios  indagou do dono da cafeteria o que era o “café suspenso”. Este explicou: o “suspenso” era para ser servido a uma pessoa que quisesse tomar um café e não pudesse pagá-lo. Um sem-teto, talvez...
            O segundo episódio ocorreu aqui mesmo no Brasil, aqui mesmo no estado de São Paulo, mais precisamente na cidade de Jales (já o narrei em escrito anterior): um morador da cidade, pedreiro, teve um filho envolvido em dois roubos qualificados, um contra uma farmácia, outro contra um posto de combustíveis. Foi preso. O pedreiro procurou os proprietários dos dois estabelecimentos e se propôs a pagar os prejuízos. O da farmácia atingia 300 reais; o do posto, 900. No dia em que foi pagar o da farmácia, alguém se antecipara (um comerciante da cidade) e pagou a quantia sob a condição de anonimato. Quanto ao prejuízo do posto, ele assinou 10 promissórias de 90 reais, porém não teve tempo de pagar nem a primeira: uma mulher de Florianópolis por telefone fez contato com o dono do estabelecimento, pediu-lhe o número da conta corrente e fez o depósito dos 900 reais, também sob a condição do anonimato. Outra pessoas procuraram o dono do posto – ele pensou que fosse trote – propondo-se a pagar; tantas outras procuraram o pedreiro.
            A terceira manifestação está hoje num artigo publicado pelo jornal “O Estado de São Paulo”, cujo título é “O seu hambúrguer já foi pago”. Trata-se da seguinte prática: nas filas de drive-thru em lanchonetes de cidades de vários estados norte-americanos, também do Canadá, a pessoa que está sendo atendida paga a despesa da pessoa que está atrás. O artigo, que é longo, explica as várias nuances dessa conduta que como uma epidemia tem grassado os estadunidenses. Para lê-lo, basta acessar o "link" abaixo.
            Apesar do mau momento em que vive o mundo, com uma crise de valores e sentimentos,  e em especial no Brasil, com  a roubalheira sendo política de Estado, a mentira sendo mais do que nunca a arma para conseguir ser eleito (ou reeleito, se é que me entendem), é alentador constatar que as pessoas não se deixaram contaminar por essa onda negativa e mais do que nunca praticam a bondade sem esperar gratidão, pois, nos exemplos observados, a boa ação é praticada tal qual um crime cometido às escondidas: sem que a “vítima” saiba quem foi o autor da proeza.
http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,seu-hamburguer-ja-foi-pago-,1088589,0.htm
http://silvioartur.blogspot.com.br/2013/10/o-pedreiro-de-jales-e-indenizacao-pelos.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …