Pular para o conteúdo principal

As várias mortes do prefeito - capítulo 51



Vieram aos autos dois ofícios da Seção de Arquivo Monodactilar, do Serviço de Perícia Datiloscópica do Instituto de Identificação Ricardo Gumbleton Daunt, da Secretaria da Segurança Pública, informando que foram “confrontados fragmentos digito-papilares” encontrados tanto no Vectra prata, quanto no Palio; o primeiro ofício informava que o confronto se deu com os prontuários de Wanderson Nilton de Paula Lima (“Andinho”), Anderson José Bastos (“Anzo”, “Anso”, ou “Puff”), Cristiano Nascimento de Faria (“Cris” ou “Japonês” – praticou extorsões mediante seqüestro com “Andinho” e Edmar), Jimi Sol Pereira Soares (acusado de haver participado da extorsão mediante seqüestro, juntamente com “Andinho”, “Cris” e Edmar, de um empresário do ramo de ônibus), André Luiz Meningrone (morto em Caraguatatuba) Nivaldo de Andrade Góis (vulgo “Boris” - seqüestrador de Monique Nakano juntamente com Valmir), Sidnei de Almeida (vulgo “Cidão” - seqüestrador de Monique Nakano juntamente com Valmir), Edenir Junior Roque, Edmar Carlos Bazilato (“Mancha”, praticou extorsões mediante seqüestro juntamente com “Andinho” e “Cris”), Globerson Luiz Moraes da silva (“Gro”) e Flávio Roberto Mendes Cunha Claro (“Flavinho”), estes dois últimos suspeitos de haverem matado o prefeito utilizando motos; o segundo ofício informava sobre o confronto dos fragmentos digito-papilares com os datilogramas dos prontuários de Wanderson Nilton de Paula Lima (“Andinho”), Anderson José Bastos (“Anzo”, “Anso” ou “Puff”), Cristiano Nascimento de Faria (“Cris”), Jimi Sol Pereira Soares, André Luiz Meningrone, Valmir Conti, Nivaldo de Andrade Góis, Sidnei de Almeida, Edenir Junior Roque, Edmar Carlos Bazilato, Globerson Luiz Moraes da Silva e Flávio Roberto Mendes Cunha Claro. Todos os confrontos tiveram resultado negativo.
          Cabe aqui uma observação: Valmir estaria utilizando um Vectra prata, veículo utilizado no sequestro, dias antes da morte do prefeito, juntamente com Nivaldo e Sidnei, de Monique Nakano; depois, o mesmo veículo foi utilizado por ele, “Andinho” e “Anzo” (excluído “Fiinho” porque não houve confronto entre os fragmentos e as suas impressões) na morte do prefeito e não foi encontrada nenhuma impressão deles no veículo. Segundo consta, ele, “Valmirzinho”, vinha utilizando esse veículo fazia algum tempo.  É muito estranho que não tenham deixado impressões digitais, sequer um mísero fragmento de impressão digital.

(Capítulo do livro, a ser editado, "As várias mortes do prefeito", sobre o processo movido contra Wanderson Nilton de Paula Lima, acusado da morte do prefeito Antonio Costa Santos.) 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …