Pular para o conteúdo principal

O Facebook e algumas tolices


  

      Sou usuário adicto do Facebook – faço incontáveis postagens diariamente; os temas são os mais variados, começando por notícias jurídicas, passando por placas engraçadas e piadas e músicas compartilhadas do Youtube. Gosto de compartilhar postagens dos meus “amigos” (alguns deveriam ser classificados apenas como “conhecidos”), sejam elas piadas, doação de animais (cães e gatos), animais desaparecidos, pessoas desaparecidas e tudo quanto for de utilidade. Bem utilizado, é um instrumento potente de mobilização – o tempo já demonstrou isto.
      Todavia, não faltam tolices, algumas de causar sudorese e tremor nas mãos. Seguem algumas.
       1) os erros de português – já até se veiculou que o Papai Noel trará para algumas pessoas que tem página (ou perfil, se preferirem) no Facebook um dicionário de presente; alguns erros: “a pessoa desapareceu A vinte dias”; outro: a pessoa fez “AUTOS” voos.
      2) na onda de salvação de todos os animais utilizados em pesquisas (episódio Beagles do Instituto Royal) alguém teve a infeliz ideia (a seu ver, brilhante, pois fez com que muitos demonstrassem a ignorância)) de postar que as pesquisas deveriam ser feitas em pedófilos e outros criminosos e não em animais; vi, com pesar, pessoas com formação jurídica compartilhando o “post”, porém esquecendo-se que somente os mais ferozes regimes totalitários, como o nazismo, empregaram seres humanos em pesquisas (essas pessoas que compartilharam será que nunca ouviram falar de Mengele e as suas experiências?) e que um dos pilares do Estado Democrático de Direito é o princípio da dignidade da pessoa humana e que o Estado nunca pode “expropriar” o corpo do condenado para utiliza-lo como quiser. Ademais, eu perguntaria a essas pessoas: baseado em que lei o Estado utilizaria o condenado em experiências?
      3) outro “post”, este  demonstrador do ditado “ouviu cantar o galo mas não sabe onde”, é o em que as pessoas são convidadas a compartilhar o fim do “indulto de Natal”. Para se combater uma ideia, uma realização, uma lei, é, antes de mais nada, necessário conhecer o seu conteúdo e esse “post” demonstra que a pessoa não sabe o que é indulto, somente sabendo o que é Natal. O indulto de Natal é uma causa de extinção da punibilidade prevista no artigo 107, inciso II, do Código Penal, é concedido por decreto pelo Presidente da República a pessoas condenadas por alguns tipos de crime (não para os cometidos com violência ou grave ameaça a pessoa, nem os hediondos), que já cumpriram parte da pena com bom comportamento. Pelo indulto, uma parte da pena não precisa ser cumprida. O “indulto de Natal” (agora entre aspas) cujo término é pleiteado por alguns no Facebook é na verdade uma saída temporária; a LEP prevê que os presos que estejam cumprindo pena no regime semi-aberto e com bom comportamento podem sair, em ocasiões festivas, por até 5 vezes com duração de até 7 dias cada: isto faz parte do processo de ressocialização - uma das finalidades da pena. Geralmente essa saída (cujo nome é permissão de saída temporária) se dá no dia das mães, dia dos pais e principalmente no Natal. A mídia inventou esse nome de “indulto de Natal” para a saída que se dá nessa data máxima da cristandade. O “post” não explica o motivo para que tal instituto deixe de exisitir e eu suponho que seja porque alguns presos não retornam. O índice de não retorno é de 5%, menor do que o número de falências, de cheques sem fundos e de divórcios e não deve ser por conta disso que 95% - o índice dos que retornam – devem ser prejudicados. Aplicar-se-ia aqui o ditado: “os inocentes pagando pelos pecadores”.
      4) A última tolice diz respeito ao auxílio-reclusão e tantas mentiras têm sido ditas sobre ele que melhor será abordá-lo separadamente.
      Pois é: o potente instrumento de mobilização, conscientização, comunicação e diversão pode tornar-se também numa fonte inesgotável de tolices.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …