Pular para o conteúdo principal

O "mensalão" e as finalidades da pena




            Desde tempos imemoriais discute-se quais são as finalidades da pena. Pune-se porque pecou – “punitur quia peccatum est”; pune-se para que não peque – “punitur ne peccetur”; e pune-se porque pecou e para que não peque – “punitur quia peccatum est et ne peccetur”. Alguns, na discussão do tema, buscam fundamentos em Platão, Sêneca, passando por Kant, Hegel, Jeremy Bentham, Roxin e outros. Pela teoria absoluta – Kant, Hegel – a pena (punição) é um fim em si mesma: pune-se porque pecou. Para a teoria relativa – Bentham – a pena deve ter uma finalidade e, então, pune-se para que não peque (mais). Para que não peque (mais), em outras palavras, significa dizer que a pessoa que delinquiu é punida para que não retorne à prática delituosa. Desnuda-se aqui a finalidade preventiva da pena, mas uma prevenção que deve ser entendida nos seguintes termos: previne-se a prática de outras infrações penais. A prevenção tem duas faces: a especial e a geral. A especial atinge-se quando se atua contra o criminoso, punindo-o, reeducando-o e desestimulando nele a vontade de praticar outros delitos. A geral atua sobre os demais cidadãos também desestimulando-os da prática de crimes.  
            No Brasil, o artigo 59 do Código Penal (lembremos que a Parte Geral é de 1984) estabelece que o juiz fixará a pena conforme seja “necessário e suficiente para reprovação e prevenção do crime”, o que vale dizer, a legislação penal adotou uma teoria mista quanto aos fins da pena: além de reprovar, quer prevenir, seja a prevenção especial, seja a prevenção geral. Esta começa a atuar pela simples existência da lei, pois ela comina (ameaça) com pena quem praticar a conduta descrita no tipo.
            O Supremo Tribunal Federal, no julgamento do mais rumoroso processo a que lhe foi submetido, inovou em alguns aspectos (alguns já apontei em textos anteriores), como, por exemplo, destruindo o mito da pena mínima; outro bom exemplo foi aplicar na prática a teoria tão bem desenvolvida por Claus Roxin sobre o domínio do fato. Outro ponto em que a mais alta corte inovou – mas isto não se deve somente a ela – foi condenar “peixes graúdos” e não somente a “arraia miúda” (para usar a expressão de Nélson Hungria). Outro aspecto em que o tribunal supremo inovou foi no “fatiamento” do acórdão, de forma que as penas impostas em condenações contra as quais não cabia (nenhum) recurso devem ser imediatamente cumpridas, independentemente do trânsito em julgado total do acórdão.
            Essa ação penal, que tomou o número 470, tramitou durante seis (para alguns, longos; para outros, intermináveis) e ao longo desse tempo a prevenção geral não funcionou pois muitos funcionários públicos continuaram a praticar um crime que é um verdadeiro cupim para a Administração Pública: a corrupção passiva. Durante o curso do processo, auditores fiscais da Prefeitura de São Paulo “paparam” algo em torno de 500 milhões de reais e aqui na “terrinha” descobriu-se em “esquema” na Câmara Municipal que desviou a reles quantia de 12 milhões de reais. Estes fatos são a “ponta do iceberg”, pois, em matéria de corrupção, a “cifra negra” ou “campo escuro” é muito grande: geralmente o corruptor não quer que o corrupto seja punido, pois a sua ação delituosa o beneficia e assim não há punição. Exemplo: as construtoras que propinavam os auditores da municipalidade paulistana também se beneficiavam.
            O que se pode concluir é que não basta a ameaça da pena, nem a sua efetivação: o que falta principalmente é educação às pessoas que podem se sentir tentadas ao ver as facilidades de enriquecer. Não adiantam, como pensa parte do populacho, leis mais duras: na base de tudo está a falta de respeito às instituições, e esse respeito somente é obtido mediante educação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …