Pular para o conteúdo principal

Crime de palavra e a internet




      Uma das críticas mais constantes contra o Código Penal é a que afirma que ele está ultrapassado. Quem a faz geralmente não sabe do que está falando. Sim, porque o código, como todos os códigos, compõe-se de duas partes, a geral e a especial. Esta é do ano de 1940; aquela, do ano de 1984. Deduzindo que a pessoa que o critica esteja se referindo à parte especial, a que define os crimes e comina as penas, esta sim tem mais de 70 anos. Mas, ainda que seja anosa, em muitos pontos continua atual. Em outros, devido à evolução da sociedade, deve sofrer modificações.
      A doutrina faz uma classificação das infrações penais com base no número de atos necessários à produção do resultado, ao número de pessoas necessário para o cometimento do delito e muitas outras classificações e uma delas diz respeito à forma de cometimento do delito: crime de forma livre e crime de forma vinculada.
      Os crimes de forma livre, a própria nomenclatura já indica, são aqueles que podem ser cometidos por qualquer forma, qualquer modo que a imaginação humana conceba. Exemplo clássico é o homicídio: o sujeito ativo pode tirar a vida da vítima da forma que ele quiser desde que, óbvio, seja uma forma idônea. Veneno, fogo, faca, arma de fogo, enforcamento, susto e – pasmem – risos. O exemplo, citado por Nélson Hungria, está num conto de Monteiro Lobato, “O engraçado arrependido”. Vale a pena lê-lo, embora se discutível o exemplo, já que pode estar em destaque uma concausa antecedente, que deve ser coberta pelo dolo do agente. Ao contrário, o crime de forma vinculada somente pode ser cometido pela forma prevista no tipo penal, que, assim, vincula o seu cometimento e um bom exemplo é o crime de perigo de contágio de moléstia venérea, artigo 130 do Código Penal: o delito somente pode ser praticado “por meio de relações sexuais ou qualquer ato libidinoso”.
      Outro bom exemplo de crime de forma (de realização) livre é o crime contra a honra e este valor pode ser violado nos crimes de calúnia, difamação e injúria. O valor honra pode ser atingido por qualquer meio: escrito, verbal, mímico, enfim, tudo aquilo que a imaginação humana conseguir criar. Na forma verbal, a mais comum, uma pessoa descreve um fato delituoso e atribui a sua prática a outra pessoa, mentirosamente. Ou verbalmente atribui-lhe uma qualidade negativa. Ou envia uma carta ofendendo-a.
      Embora os crimes contra a honra tenham uma definição do ano de 1940 e a internet comercialmente começou a operar em 1988, a honra continua merecendo a proteção penal e a forma de atingi-la é livre, o que equivale a dizer que pode ser utilizada a rede mundial de computadores para ofender alguém. Depois do advento da internet, vieram os seus “filhotes”, como o e-mail, e outros, chamados de “redes sociais”, tais como o Orkut e o Facebook, não podendo ser excluído o “blog”. Ficou mais fácil cometer um crime contra a honra e, embora esses meios eletrônicos tenham vindo muito depois do Código Penal, Parte Especial, constituem-se numa forma idônea para as agressões à honra. Porém, deixam farta prova de autoria, o que permite a punição dos ofensores. O jornalista Paulo Henrique Amorim, por exemplo, foi condenado em algumas ações penais pela prática de crimes contra a honra – um deles, contra um jornalista da TV Globo, Eraldo Pereira, a quem Amorim fez referências criminosas com conotação de preconceito racial.
      Os crimes contra a honra formam apenas uma faceta dos crimes de palavra e está tomando corpo outro crime de palavra que pode ser cometido mediante o uso da internet e ele é o falso testemunho, em que o depoimento é tomado por videoconferência. Mas este tema merece outra abordagem, bem como outros crimes que podem ser cometidos via internet, como, por exemplo, a “pedofilia”.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …