Pular para o conteúdo principal

O mestre do terror



    
      Merecidamente, o estadunidense Stephen Edwin King foi alcunhado de “o mestre do terror”: muitos dos seus livros são realmente de provocar arrepios. Ele nasceu no estado do Maine, na cidade de Portland, aos 21 de setembro de 1947.
      A sua obra é muito extensa: são incontáveis livros, muitos deles tornaram-se enredos de filmes, com dois logrando indicação ao Oscar como melhor filme. Porém, embora alcunhado “o mestre do terror” (não é raro encontrar-se alguém que o chame de “mestre do suspense”), ele escreveu livros que não têm um pingo de terror ou de suspense; em contrapartida, outros provocam tanto pavor que, se lidos durante a noite, melhor será dormir com a luz do quarto acesa.
      Livros que se transformaram em enredos de filmes: “O iluminado”, estrelado por Jack Nicholson (no papel do louco Jack Torrance) e dirigido por Stanley Kubrick, foi apontado como o filme mais aterrorizante de todos os tempos. No site IMDB obteve a nota 8,5 – altíssima. Outro livro que foi filmado é “A hora da zona morta”, com Christopher Walken no papel de um professor que após um acidente e um largo período em coma adquire poderes extrassensoriais. A direção é de David Cronenberg e a película originou uma série exibida nas emissoras brasileiras com o nome de “The dead zone”. Outro livro que foi convertido em filme e obteve muito sucesso foi “Carrie, a estranha”, de 1976, direção de Brian de Palma, com Sissy Spaceck no papel principal. Refilmado em 2013, mais modernizado – os personagens usam “smartphones”. Outro livro que foi transformado em filme foi “Sonâmbulos”, em que Stephen King faz uma “ponta”. Não pode ser esquecido outro livro que transformou-se em roteiro de filme: "O apanhador de sonhos" ("The dreamcatcher"), estrelado, por entre outros, Morgan Freeman. Embora existam monstros, o ponto central é a amizade de três garotos que é mantida depois que se tornam adultos e de um quarto garoto, com deficiência mental, de quem eles se tornam amigos e depois os ajuda a... é melhor assistir ao filme.
      Dois de seus livros que deram origem a filmes passam-se dentro de prisões: “À espera de um milagre” (original: “The green mile”), com Tom Hanks e Michael Clark Douglas, dirigido por Frank Darabont – no site IMDB obteve a nota 8,5; o outro é “Um sonho de liberdade” (“The Shawshank redemption”), com Tim Robbins e Morgan Freeman, direção também de Frank Darabont – nota 9,3 no IMDB. Ambos lograram indicações ao premio máximo da academia de cinema, mas não obtiveram a estatueta.
      Num de seus mais recentes livros o mestre fugiu de seus temas, mas nem tanto: num livro muito extenso, ele conta a saga de uma pessoa que descobre como voltar ao passado e volta ao ano de 1963 para tentar salvar o presidente Kennedy de ser assassinado. No Brasil tomou o nome de “Novembro de 1963” (eu o li em espanhol, comprado há mais de um ano antes de ser lançado em português, e tem o título em inglês de 11/22/1963).
      Quando vejo algo que tem a “grife” Stephen King, imediatamente o examino e na maioria das vezes, o adquiro; se for livro, um exemplar; se for filme, um ingresso (e, por ser idoso, pago meio ingresso – umas das poucas coisas boas da terceira idade – no popular: velhice).



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …