Pular para o conteúdo principal

Lei da mordaça




      As “redes sociais” – entenda-se, principalmente, o Facebook – se têm prestado, vária vez (como dizia Monteiro Lobato), a servir de veículo de propagação de boatos e notícias infundadas (tenho apontado esse fenômeno aqui em algumas ocasiões). O último ataque dos “boateiros” e desconhecedores da verdade consiste em postar a notícia que a presidente Dilma sancionou “no dia 12 de dezembro a lei da mordaça”. Algumas postagens são lacônicas; outras, um pouco mais extensas; porém, nem umas, nem outras contêm dados a demonstrar a existência da citada lei.
      Segundo algumas postagens, essa lei consistiria numa norma que proíbe, com ameaça de pena – sendo, portanto, uma lei penal – que “nas redes sociais” sejam feitas críticas aos políticos. Nem por aproximação existe uma norma de tal naipe, sendo a sua existência fruto de uma grande imaginação, ou de uma grande má-fé, ou, finalmente, de uma tremenda ignorância.
      Vamos aos fatos.
      Realmente, no dia 11 de dezembro de 1023 (11.12.13) foi sancionada(e publicada no dia seguinte no Diário Oficial) a lei n° 12.891, que alterou algumas leis eleitorais, como a n° 4.737, de 1965, a 9.096, de 1995 e a 9.504, de 1997. Conforme a ementa da lei de dezembro último, uma de suas finalidades era diminuir os gastos com as campanhas eleitorais e, como é de hábito, aproveitou-se a oportunidade para criminalizar algumas condutas – e nesta criminalização é que alguns enxergaram a criação de uma mordaça.
      A lei de dezembro provocou a mudança, que, como dito, alguns interpretaram como uma proibição de fazer críticas, na lei n° 9.504, criando dois parágrafos no artigo 57-H. O parágrafo 1° tem o seguinte teor:
      “constitui crime a contratação direta ou indireta de grupo de pessoas com a finalidade específica de emitir mensagens ou comentários na internet para ofender a honra ou denegrir a imagem de candidato, partido ou coligação, punível com detenção de 2 (dois) a 4 (quatro) anos e multa de R$15.000,00 (quinze mil reais) a R$50.000,00 (cinquenta mil reais)”.
      Já o parágrafo 2° tem a seguinte redação:
      “igualmente incorre em crime punível com detenção de 6 (seis) meses a 1 (um) ano, com alternativa de prestação de serviços à comunidade pelo mesmo período, e multa de R$5.000,00 (cinco mil reais) a R$30.000,00 (trinta mil reais) as pessoas contratadas na forma do § 1°”.
      Pelo que se percebe – e um aluno de 3° ano de Faculdade de Direito consegue entender – o que se pune é a contratação (o verbo do tipo é contratar) direta ou indiretamente pessoas com a finalidade específica de ofender a honra ou denegrir a imagem de candidato, partido ou coligação. Além do verbo contratar, há de existir o elemento subjetivo (do tipo), antigamente chamado de dolo específico, consistente na expressão finalidade específica de ofender a honra ou denegrir a imagem.
      A ofensa à honra já é considerada crime desde os idos de 1942, quando, a 1° de janeiro, entrou em vigor o Código Penal, e ela se manifesta sob as formas de calúnia, difamação e injúria (artigos 138, 139 e 140), que são os crimes contra a honra. Denegrir (também grafado como denigrir) significa aviltar (tornar vil), conspurcar, manchar, o que se consegue com um ofensa à honra. Esta segunda parte do tipo penal era desnecessária, assim como a expressa possibilidade de substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direito consistente em prestação de serviços à comunidade constante do § 2°, pois tal possibilidade já consta da norma geral, qual seja, o Código Penal.
      Portanto, o direito de manifestar a opinião criticando candidato, partido ou coligação está dentro do direito de liberdade de expressão; o que se pune são as pessoas que contratam os “penas pagas” (modernamente, "teclados pagos"), mercenários que se prestam a ofender alguém, bem como os próprios "penas pagas". Contratar alguém para fazer esse trabalho sujo é o mesmo que empreitar alguém para confeccionar dossiês. Entenderam?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …