Pular para o conteúdo principal

Descendo às trevas




      Na introdução do (magnífico) filme intitulado “Freud, além da alma”[1], dirigido por John Huston, uma voz (que é a do próprio diretor), diz a seguinte frase: “esta é a história da viagem de Freud a uma região quase tão negra quanto o próprio inferno o inconsciente e de como ele a iluminou”.  O inconsciente foi denominado por Freud de “id”.
             Nelson Rodrigues, conforme relata Ruy Castro[2], afirmou em uma crônica que “o brasileiro tem as suas trevas interiores. Convém não provoca-las. Ninguém sabe o que existe dentro”.  Seria o mesmo conteúdo “iluminado” por Freud? Somente a própria pessoa poderá dizer, seguindo o inscrito no tempo de Apolo de Delfos: “conhece-te a ti mesmo”.
            Essas lembranças me vieram à mente ao acompanhar a apuração do fato que resultou na covarde morte do cinegrafista da Rede Bandeirantes (os detalhes mais do que canalhas do evento é do conhecimento de todos) e especialmente de três das pessoas de alguma forma envolvidas: Elisa Quadros, Fábio e Caio. A primeira, injustamente apelidada de “Sininho”[3], porque daquela doce fadinha do conto  escrito por James Matthew Barrie em 1904, “Peter and Wendy”, ela não tem nada, tem 28 anos, era filiada ao PT (claro), desfiliando-se quando se decepcionou com certas alianças feitas pelo partido (com Maluf? com Collor?). Seus pais moram no Rio Grande do Sul e são militantes petistas - o fruto não cai longe da árvore.  Não se sabe quais são os seus meios de sobrevivência, já que não trabalha.
            Fabio é tatuador – autônomo, pois - e já teve alguns envolvimentos com o sistema punitivo. Foi ele quem deu o rojão para que outra pessoa, de nome Caio, o acendesse.
            Caio tem 22 anos, o que acendeu o rojão que atingiu o cinegrafista, mora na baixada fluminense, é um “faz-tudo” (auxiliar de serviços gerais) terceirizado num hospital no Rio de Janeiro. É pobre.
            O que faz com que três pessoas tão díspares sejam travestidas em “black blocs”e participem de manifestações violentas, uma das quais culminou numa morte? Não são as trevas de que falou Nelson Rodrigues, nem “a região quase tão negra quanto o próprio inferno”, conforme a introdução do filme dirigido por John Huston. Nem algum ideal, óbvio.  O que seria, então? Um deles, Caio, admitiu, balbuciando, quando foi preso, que eles são convocados para participar dessas violentas manifestações, e o seu advogado usou um verbo mais contundente: eles são aliciados para se tornarem “black blocs”. Por quem?
            Disse magistralmente Philip Roth que quando não se sabe a história inteira deve se supor. Baseado em indícios, é legítimo supor que partidos políticos e algumas organizações, os que apostam no “quanto pior, melhor”, estejam por trás desses atos de selvageria. Quando se encaminhava para a delegacia de polícia para atender Fabio, o estagiário do advogado Jonas (que a baleia não o engula...) recebeu um telefonema de “Sininho” (os seus dotes de fada a fizeram adivinhar o número do telefone), colocando à disposição uma equipe de“criminalistas experientes”para ajudar na defesa. Ele passou o aparelho ao advogado (Jonas) e a oferta foi reiterada, com o acréscimo de que ela falava em nome de Marcelo Freixo, deputado estadual no Rio de Janeiro pelo PSOL (este político teve um personagem no filme “Tropa de Elite 2”baseado  em sua atuação). Claro que “Sininho” depois retratou-se, mas o estrago estava feito. Ouvido, o deputado mostrou-se indignado com a utilização indevida de seu nome.
            Se for investigada não apenas a morte de Santiago, mas quem alicia e financia (como um trabalhador pobre como Caio consegue dinheiro para comprar máscaras e locomover-se?), fatalmente se chegará a partidos políticos e organizações. Eles é que são as trevas e a “região quase tão negra quanto o próprio inferno” dos presentes dias, por conta das manifestações, não somente as pessoas que delas participam.





[1] . É do ano de 1962, com as atuações de Montgomery Clift, Susannah York e David McCallum. O roteiro original foi escrito por Jean-Paul Sartre, mas não foi utilizado.
[2] . “Trevas dos brasileiros”, FSP, 12/2/14, página A2.
[3] . Injustamente porque a “Sininho”, conhecida em inglês por “Tinker Bell”, era de uma pureza ímpar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …