Pular para o conteúdo principal

O passado que condena eternamente


 

      Existe uma memória seletiva acerca dos atos praticados pelos outros que sempre faz evocar dados comprometedores; parece que nesse campo nunca ocorre o esquecimento. Fala-se, de algum tempo a esta data, que as pessoas têm "direito ao esquecimento”.
      Em termos jurídico-penais, o passado comprometedor não serve para condenar, mas sim para agravar a situação daquele que reincidiu. Durante muito tempo, a reincidência era perpétua – se preferirem, eterna (“que seja eterno enquanto dure”, como disse lindamente o poeta). Cometido um delito aos 18 anos e cumprida a pena (ou extinta por qualquer motivo – a prescrição, por exemplo) e praticado outro aos 50 anos, a pessoa era considerada reincidente. Inicialmente sob a forma de construção jurisprudencial e depois convertida em lei, foi fixado um prazo para a reincidência: cinco anos após a extinção da pena pelo cumprimento ou qualquer outra forma extintiva.
      Além disso, na reforma penal havida no ano de 1984, que trouxe, pela Lei n° 7.210, uma nova parte geral ao Código Penal, a lei de execução – daquele mesmo ano e foi a primeira que o Brasil teve em 484 anos de seu descobrimento – estabeleceu, no artigo 202, que “cumprida ou extinta a pena, não constarão da folha corrida, atestados ou certidões fornecidas por autoridade policial ou auxiliares da Justiça, qualquer notícia ou referência à condenação, salvo para instruir processo pela prática de nova infração penal ou outros casos expressos em lei”.
      Conforme dispõe a lei específica, depois de cumprida ou extinta a pena “desaparecerão” dos registros oficiais “qualquer notícia ou referência à condenação”. A “mens legis” foi perfeita, porque, como já afirmou alguém que viveu o problema, “a pena realmente começa a ser cumprida depois de terminada”, pois é a partir de sua categoria de “egresso”que todas as possíveis portas automaticamente se fecham: qual emprego ou cargo público que não exige “folha de antecedentes”. Talvez apenas o de político, pois é partir de sua eleição que muitos desandam para o crime – vide a “bancada da Papuda” ou “bancada carcerária” da Câmara dos Deputados.
      Embora a intenção da lei fosse ótima, ela é burlada a todo momento. Ao lado do Estado oficial, o único autorizado a punir (“jus puniendi” – poder-dever de punir), há outro que não pune, mas que controla a vida das pessoas, “sugando” dados dos “sites” oficiais e montando um banco de dados que desobedece diuturnamente o que dispõe a lei de execução penal. Dois exemplos servirão para esclarecer o que está sendo dito: uma mulher foi acusada de tentar matar o filho. Mudou-se do Brasil, indo fixar residência num país da Europa. Retornou ao Brasil para ser julgada e a acusação de homicídio qualificado tentado foi desclassificada para lesões corporais leves que, devido ao longo tempo transcorrido, prescreveu. Em “sites” de busca, ao ser digitado o seu nome, a pesquisa é direcionada para ”sites” oficiais e não oficiais em que constam dados sobre o processo.
      Um homem foi acusado de ato obsceno (infração penal de menor potencial ofensivo) e decidiu aceitar a transação penal, cumprindo a prestação de serviço à comunidade que foi imposta. O processo foi extinto, porém, em virtude de ter sido chamado por edital, consta o seu nome, o número do processo e o crime de que era acusado em “sites” não oficiais.
      Voltando ao primeiro parágrafo deste escrito: até hoje circulam “correntes” nas “redes” sociais contra alguns (então) rapazes, estudantes de medicina, que participavam de um “trote” acadêmico em que um calouro morreu afogado. Embora não tenham sido sequer denunciados, pois o inquérito policial foi arquivado, os “posts” citam os seus nomes, onde trabalham e os chamam de “assassinos”.
      O passado deve condenar eternamente?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …