Pular para o conteúdo principal

O juiz e a promotora




          Ambos trabalhavam num cartório criminal, como escreventes. Ele era solteiro. Ela, separada, e com um filho menor da primeira relação. Ele ficou perdidamente apaixonado por ela, porém não era correspondido. No próprio ambiente de trabalho, enviava bilhetes açucarados – mais do que isso: melados – para ela, acompanhados de alguma guloseima, um pão de queijo, declarando o seu amor.  Depois de muito tempo, conseguiu vencer a resistência da pretendida e encetaram num namoro, que resultou em casamento. Ele cursava uma Faculdade de Direito; colou grau, submeteu-se ao concurso para ingresso na Magistratura e logrou aprovação. Foi designado para uma cidade da região metropolitana de Campinas. Mudaram-se para lá. Para a mesma cidade, depois de algum tempo, foi designada uma Promotora de Justiça, recentemente aprovada no concurso, e também casada; ela tinha advogado antes de lograr aprovação.
          O juiz, sempre pontual ao chegar em casa após o trabalho, começou a atrasar-se. Chegou a dormir fora. Sempre o pretexto era o mesmo: excesso de trabalho. A mulher, que de nada desconfiava, certa ocasião abriu a carta que continha o extrato do cartão de crédito como medida trivial para conferir os seus gastos, já que tinha um cartão adicional. O que viu estarreceu-a: gastos em restaurantes chiques em São Paulo, hotéis e outras despesas com, digamos, lazer. Nenhuma fora feita com ela. Quando ele chegou, ela interpelou-o e ele admitiu, depois de alguma hesitação: estava saindo com a promotora (talvez novamente perdidamente apaixonado...).
          Separaram-se. O filho, que agora era legalmente dele, cursava Faculdade de Direito, além de viver às expensas do pai adotivo. Este parou de pagar as mensalidades do curso; cessou, enfim, de entregar qualquer quantia à mulher (quase ex-mulher) e ao filho. Ela procurou-me. Disse que precisava dos meus serviços profissionais. Assustei-me, a princípio. Combinamos horário no meu escritório. Ela compareceu com todos os bilhetes apaixonados que recebera na fase de conquista e durante o namoro; havia alguns já da época de casados. Eram de causar asco. Trouxe os extratos. Aceitei o caso. Elaborei a petição inicial de alimentos. Protocolei-a.
          Designada data de audiência, comparecemos, a cliente e eu, e o advogado do réu-juiz. Este não compareceu. O seu advogado justificou a ausência dizendo que ele estava enfermo e que tinha um atestado médico para provar a enfermidade. O Juiz que presidiria a audiência apanhou-o e leu-o. Atestava "síndrome do pânico". Disse, após ler: “isto para mim não é doença. Vou redesignar a audiência e se ele não comparecer novamente, decretarei a revelia”. Por dentro, eu ria a bandeiras despregadas.
          Não pude continuar atuando nesse processo, pois fui temporariamente ocupar um cargo administrativo de chefia na Procuradoria Regional de Campinas.
          Tempos depois, casualmente encontrei a escrevente ( e ex-mulher do juiz) e ela agradeceu-me ter iniciado o processo. Contou-me que o ex-marido fora condenado a prestar alimentos. Estava recebendo as parcelas mensalmente e com pontualidade. Estava exultante. Eu também fiquei. Não houve espírito de corpo, como era de se esperar.


(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", Editora Millennium.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto