Pular para o conteúdo principal

O juiz e a promotora




          Ambos trabalhavam num cartório criminal, como escreventes. Ele era solteiro. Ela, separada, e com um filho menor da primeira relação. Ele ficou perdidamente apaixonado por ela, porém não era correspondido. No próprio ambiente de trabalho, enviava bilhetes açucarados – mais do que isso: melados – para ela, acompanhados de alguma guloseima, um pão de queijo, declarando o seu amor.  Depois de muito tempo, conseguiu vencer a resistência da pretendida e encetaram num namoro, que resultou em casamento. Ele cursava uma Faculdade de Direito; colou grau, submeteu-se ao concurso para ingresso na Magistratura e logrou aprovação. Foi designado para uma cidade da região metropolitana de Campinas. Mudaram-se para lá. Para a mesma cidade, depois de algum tempo, foi designada uma Promotora de Justiça, recentemente aprovada no concurso, e também casada; ela tinha advogado antes de lograr aprovação.
          O juiz, sempre pontual ao chegar em casa após o trabalho, começou a atrasar-se. Chegou a dormir fora. Sempre o pretexto era o mesmo: excesso de trabalho. A mulher, que de nada desconfiava, certa ocasião abriu a carta que continha o extrato do cartão de crédito como medida trivial para conferir os seus gastos, já que tinha um cartão adicional. O que viu estarreceu-a: gastos em restaurantes chiques em São Paulo, hotéis e outras despesas com, digamos, lazer. Nenhuma fora feita com ela. Quando ele chegou, ela interpelou-o e ele admitiu, depois de alguma hesitação: estava saindo com a promotora (talvez novamente perdidamente apaixonado...).
          Separaram-se. O filho, que agora era legalmente dele, cursava Faculdade de Direito, além de viver às expensas do pai adotivo. Este parou de pagar as mensalidades do curso; cessou, enfim, de entregar qualquer quantia à mulher (quase ex-mulher) e ao filho. Ela procurou-me. Disse que precisava dos meus serviços profissionais. Assustei-me, a princípio. Combinamos horário no meu escritório. Ela compareceu com todos os bilhetes apaixonados que recebera na fase de conquista e durante o namoro; havia alguns já da época de casados. Eram de causar asco. Trouxe os extratos. Aceitei o caso. Elaborei a petição inicial de alimentos. Protocolei-a.
          Designada data de audiência, comparecemos, a cliente e eu, e o advogado do réu-juiz. Este não compareceu. O seu advogado justificou a ausência dizendo que ele estava enfermo e que tinha um atestado médico para provar a enfermidade. O Juiz que presidiria a audiência apanhou-o e leu-o. Atestava "síndrome do pânico". Disse, após ler: “isto para mim não é doença. Vou redesignar a audiência e se ele não comparecer novamente, decretarei a revelia”. Por dentro, eu ria a bandeiras despregadas.
          Não pude continuar atuando nesse processo, pois fui temporariamente ocupar um cargo administrativo de chefia na Procuradoria Regional de Campinas.
          Tempos depois, casualmente encontrei a escrevente ( e ex-mulher do juiz) e ela agradeceu-me ter iniciado o processo. Contou-me que o ex-marido fora condenado a prestar alimentos. Estava recebendo as parcelas mensalmente e com pontualidade. Estava exultante. Eu também fiquei. Não houve espírito de corpo, como era de se esperar.


(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", Editora Millennium.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …