Pular para o conteúdo principal

Marli



      
    Ela era manicure e formou uma união estável com um rapaz que trabalhava numa universidade estadual. A união produziu um filho. Moravam numa vila popular, perto da universidade. Davam-se ao vício das drogas.
          Houve uma denúncia anônima de tráfico ao distrito policial da área; policiais estiveram no local; ali estava apenas Marli. Foi encontrada droga, cocaína, alguns papelotes. O companheiro dela foi investigado e posteriormente processado. Durante o curso do processo, Marli concordou em assinar um documento – praticamente uma confissão – em que admitia que a droga lhe pertencia. O companheiro foi absolvido e iniciou-se um processo contra ela, que redundou em condenação por tráfico de droga: 3 anos de reclusão no regime fechado e 50 dias-multa.
          Ela estava presa na cadeia pública de Vinhedo, eufemisticamente chamada de “cadeia feminina”. Num dia de visita o ex-companheiro foi vê-la: ao entregar o “jumbo” ao carcereiro para a revista, foi encontrada droga e o ex-companheiro foi preso e autuado em flagrante pelo crime de tráfico de entorpecente, com a agravante de ser praticado o crime em presídio. A família dele procurou-me e assumi a defesa.
          A prova esmaeceu-se e ele foi absolvido. Condoí-me da situação de Marli e resolvi fazer um pedido de progressão de regime (essa época o tema era altamente controverso – alguns juízes e tribunais não admitiam a progressão de regime nos crimes hediondos, como o tráfico de entorpecente). Foi concedida a progressão ao regime semi-aberto (colônia penal agrícola, industrial e similar). Não havia nenhum estabelecimento feminino. O juiz concedeu então o regime aberto. Marli foi solta.
          Durante o cumprimento da pena no regime aberto, um sábado pela manhã sua ex-sogra (se é que existe ex-sogra...) procurou-me em meu apartamento: Marli fora presa novamente, desta vez sob a acusação de porte (o entorpecente – maconha – fora encontrado na geladeira), e estava novamente encarcerada em Vinhedo. Fui ao fórum ler a cópia do flagrante. Requeri a liberdade provisória. Foi concedida. Assumi a defesa dela “pro bono”. O processo demorou excessivamente. Ocorreu a prescrição, requerida e prontamente decretada pelo juiz. Ambos os casos se encerraram.
          Uma sexta-feira pela manhã, bem cedo, fui, como é de hábito, fazer uma caminhada no Bosque dos Jequitibás. Quando saía do local, surpreendeu-me uma chuva forte. Depois de caminhar pela Rua Coronel Quirino alguns quarteirões debaixo do aguaceiro, na esquina com a Rua Conceição ouvi uma voz feminina que perguntava: “o senhor quer carona, Dr. Silvio?”. Assustado, olhei e vi que era Marli com uma sombrinha, toda gentil.

          Gentilmente também, recusei a oferta: afinal, eu já estava totalmente molhado.

(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", Editora Millennium.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …