Pular para o conteúdo principal

Na casa da sogra




     
       Premido por motivos financeiros e também forçado pelo fato de o marido haver sido dispensado do trabalho e estar desempregado, o casal foi residir numa edícula nos fundos da casa da mãe da mulher. Ambos, marido e mulher, viviam bem, apesar das constantes interferências da sogra, existindo, como é comum acontecer em situações similares, algumas rusgas entre os cônjuges, nada que fosse grave.
            Numa dessas rusgas, a sogra resolveu interferir e o genro, não mais suportando a interferência, tentou agredi-la, o que fez com que ela se refugiasse em sua casa e acionasse a Polícia Militar. Quando a guarnição chegou, um dos componentes entrou no quintal e dirigiu-se para a casa dos fundos, onde morava e estava homiziado o genro. O policial ordenou-lhe que saísse, não tendo sido atendido. Iniciou-se uma discussão. Depois de alguns segundos, o genro efetuou um disparo de arma de fogo, o mesmo tendo feito o policial militar. Ninguém foi atingido. Depois dessa refrega, os ânimos serenaram-se e o genro foi encaminhado ao plantão policial, Talvez por conta de que ninguém foi atingido, a autoridade preferiu não lavrar o auto de prisão em flagrante. O genro foi indiciado, e posteriormente denunciado, por homicídio simples tentado, a doutrinariamente classificada “tentativa branca”, tendo como vítima o miliciano.
            O réu foi pronunciado e, depois de transitar em julgado a sentença, o processo foi encaminhado para a comarca de Jundiaí para ser julgado pelo tribunal do júri daquele município[1]. Em casos que tais, as testemunhas não são obrigadas a comparecer, nem a vítima, e foi isso que ocorreu: ninguém compareceu para ser ouvido e, ante esse pauperismo probatório, o Ministério Público decidiu pugnar pela desclassificação do crime de homicídio tentado para o crime de periclitação da vida ou da saúde[2]. Secundei-o, obviamente, no pedido, e os jurados à unanimidade acolheram essa tese, tendo sido o réu condenado pelo crime descrito no artigo 132 do Código Penal, com a suspensão condicional da execução da pena. Naquele tempo não existia ainda a figura da “infração penal de menor potencial ofensivo”, instituída pela lei n° 9.099/95, que daria outra solução ao caso.
            Não consigo lembrar se ele voltou a morar com a sogra. Acredito que não, claro.

(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", a ser publicado.)



[1]. Essa medida processual chama-se “desaforamento”.
[2]. Artigo 132 do Código Penal. Disparo de arma de fogo não era ainda crime: era meramente uma contravenção penal. E o teor do artigo em questão é este: "expor a vida ou a saúde de outrem a perigo direto e iminente", com a pena de detenção, de 3 meses a 1 ano "se o fato não constitui crime mais grave". Esta última frase está a declarar que o crime é acessório, ou seja, só se aplica se a conduta não couber em delito mais grave. Tal tema - o princípio da acessoriedade - é tratado no "concurso aparente de normas (ou leis) penais".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …