Pular para o conteúdo principal

O anão do orçamento e os maus tratos ao filho




        
                Ele tinha uma extensa carreira política: vereador, deputado estadual e deputado federal (sem contar que fora candidato ao cargo de prefeito de Campinas, porém derrotado). Enquanto deputado federal, foi envolvido na CPI que a mídia, sempre ávida em descobrir um epíteto que simplifique ou resuma tudo, chamou-a de “CPI dos anões do orçamento”. No caso dele, caía como uma luva, pois ele mal superava 1 metro e 60 centímetros de altura. Embora pequeno, a acusação que contra si pesava era mais apropriada para um gigante.
            O epíteto “anões do orçamento” tinha uma explicação lógica: quase todos os parlamentares envolvidos eram de baixa estatura. Não eram apenas sete, como no conto, mas 37, e, certamente, não havia uma Branca de Neve.
            Quando tudo veio a público, a esposa do “anão” em questão delatou-o em depoimento perante a CPI, escafedendo-se a seguir, indo fixar residência em Miami. Em seu depoimento, ela relatou a vida nababesca em que viviam graças ao desvio do dinheiro público por ele praticado; uma das facetas dessa vida era a moradia faraônica que estava sendo construída.. Depois da delação, ela bandeou-se para aquela aprazível cidade no estado da Flórida. Ele, para escapar do processo parlamentar e, consequentemente, da cassação, o "anão" renunciou ao mandato.
            Tempos depois, numa altercação com um dos seus filhos, o mais novo, um adolescente, o “anão” chegou às vias de fato, dando-lhe alguns “cascudos” que lhe provocaram lesões corporais levíssimas. O adolescente telefonou para uma tia que, apressadamente, dirigiu-se ao plantão policial, levando consigo a vítima e ali foi lavrado um “termo circunstanciado de ocorrência” (TCO), com fundamento na lei dos juizados especiais criminais, já que se tratava de infração penal de menor potencial ofensivo. O adolescente foi submetido a exame de corpo de delito e os peritos constataram lesão levíssima. Talvez a melhor tipificação jurídico-penal fosse a do crime de maus tratos, previsto no artigo 136 do Código Penal, porém a autoridade policial a quem a ocorrência foi apresentada optou por enquadrar a conduta do "anão" no artigo 129, “caput”, do Código Penal.
            O TCO foi remetido a juízo e distribuído à 1ª Vara Criminal da comarca de Campinas. No dia marcado para a audiência de transação penal (em que, se o apontado autor do fato aceitar a proposta, geralmente de doação de uma cesta básica [ou mais de uma] a um entidade assistencial, o TCO é arquivado), coube a mim estar presente pela PAJ Criminal. Os representantes do adolescente seriam os seus pais, porém o pai não poderia ser porque era o agressor e a mãe havia se mudado para Miami, de forma que a representação do menor coube à PAJ, no caso, a mim: cabia a mim decidir se o “anão do orçamento”, que matreiramente houvera escapado da cassação parlamentar, seria, agora, alcançado pela justiça criminal. Pai – agressor – e filho – vítima – conversavam animadamente no corredor do quinto andar do fórum, onde se localizava a 1ª Vara Criminal, e, ao consultar o adolescente, sobre a sua vontade de prosseguir com o “processo”, ouvi dele que não pretendia a continuação.
            Ao me ser dada a palavra na abertura da audiência, como representante do adolescente-vítima, disse que não havia interesse no prosseguimento da causa, o que fez com que o magistrado determinasse o arquivamento do "termo circunstanciado de ocorrência"..
            Pela segunda vez, o “anão” escapou das malhas da justiça.
(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos" volume 2, a ser publicado.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …