Pular para o conteúdo principal

Sonambulismo e crime


      Segundo a enciclopédia interativa Wikipedia, o noctambulismo ou hipnofrenose (sonambulismo para o sono não-REM, ou distúrbio comportamental do sono REM para o sono REM) é um transtorno comportamental do sono (parassonia), durante o qual a pessoa pode desenvolver habilidades motoras simples ou complexas. O sonâmbulo sai da cama e pode andar, urinar, comer, realizar tarefas comuns e mesmo sair de casa, enquanto permanece inconsciente. É difícil de acordar um sonâmbulo, mas, contrariamente à crença popular, não é perigoso fazê-lo, sendo inclusive perigoso não acordá-lo. Contudo, esse despertar deve ser feito com cautela, já que alguns sonâmbulos podem ficar confusos e até mesmo ser violentos.
                De outra parte, para que haja um crime, é necessário, antes de mais nada, que exista ação (nos dizeres de José Henrique Pierangeli, “a ação é a espinha dorsal do crime”), o principal componente do ilícito penal. O que é a ação (mais compreensivamente chamada de “conduta”) e quais os seus componentes é objeto de estudo quando se aborda a tipicidade. Antigamente o conceito de ação era meramente causalístico até o momento em Hans Welzel formulou a teoria finalista da ação, talvez o mais rumoroso movimento que o Direito Penal conheceu em toda a sua existência. Alguns preferem o termo “conduta”, pois assim ficaria compreendida tanto a ação (em sentido estrito), quanto a omissão (abstenção de ação quando deveria agir). Conduzir-se é eleger objetivos e escolher os meios para alcança-los. Miguel Reale lembra o aforisma em latim escrito no brasão paulista: “educo, quia duco” (em vernáculo: “eu educo porque me conduzo”). A ação deve ser consciente e produto da vontade.
      A grande indagação que se faz é a seguinte: a pessoa que comete um crime em estado de sonambulismo deve ser punida? Em caso negativo, qual dos componentes do crime fica afastado? Julio Fabbrini Mirabete afirma que “não constituem conduta os atos em que não intervém a vontade”, dando como exemplo o sonambulismo (“Manual de Direito Penal”, volume I, 28ª edição, página 89). Ou seja, na visão desse penalista não haveria ação, já que inexistente a vontade. Mal comparando, seria um ato mecânico.
      No Brasil, a literatura jurídico-penal não registra nenhum caso de julgamento de alguém acusado de um crime que o tenha praticado em estado de sonambulismo; talvez existam aquilo que Claus Roxin chama de “exemplos de manual”, ou seja, aqueles que somente existem nas mentes dos doutrinadores, portanto, em manuais de Direito Penal. A literatura de outros países registra casos verídicos, como, por exemplo, um ocorrido na cidade de Phoenix, estado do Arizona, Estados Unidos da América. Uma pessoa ali residente, chamada Scott Falater, foi acusada de matar a sua esposa, e a sua alegação foi a de que houvera agido em estado de noctambulismo. Não, não se trata, como poderia parecer, que a sua defesa engendrou essa versão: ele mesmo, ao ser detido logo após o crime, alegou aos policiais que o detiveram não lembrar de nada.
      O caso foi assim: um seu vizinho ouviu gemidos femininos e olhou por cima do muro: no chão estava a esposa de Scott, aparentemente desacordada; o vizinho enxergou-o em seu quarto, trocando de roupa em seu quarto no andar superior; Scott desceu e aquietou o cachorro que latia; em seguida, arrastou a mulher até a piscina e afundou a sua cabeça na água. O vizinho chamou o 911 e quando os policiais chegaram ela estava morta. Antes, porém, que chegassem, Scott guardou no porta-malas do seu carro as roupas ensanguentadas.
      Levado a julgamento, todo o debate entre acusação e defesa cingiu-se ao sonambulismo: especialistas foram ouvidos na qualidade de peritos, e Scott acabou por se condenado, pois os jurados não acreditaram que uma pessoa durante um episódio de sonambulismo pratique tantas ações aparentemente conscientes, como trocar de roupa, acalmar o cachorro, guardar as roupas ensanguentadas e outras.
      Embora a Promotoria pedisse a imposição da pena de morte, o juiz optou pela pena de prisão perpétua.
      http://en.wikipedia.org/wiki/Homicidal_sleepwalking


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto