Pular para o conteúdo principal

Bianca e a mudança de sexo


   
    O seu nome não era Bianca: “na pia batismal” (na verdade: no registro de pessoas naturais) recebera o nome de Edilson, do sexo – claro! – masculino. Porém, era, conforme se dizia na época, transexual, “uma alma feminina encarcerada num corpo masculino”. A sua ideia, que encerraria a realização de um sonho, era submeter-se a uma cirurgia para mudança de sexo (hoje: cirurgia de readequação sexual). Foi em busca dos meios à realização do sonho.
      No Brasil houvera, na década de 70, uma experiência pioneira nessa área: um transexual chamado Waldir fora operado para mudança de sexo. A cirurgia foi realizada por um renomado profissional de São Paulo e de tal forma ficou satisfeito o cliente que resolveu requerer à Vara (sem nenhuma conotação...) dos Registros Públicos a alteração de seu nome, de Waldir para Waldirene, e a mudança de sexo, de masculino para feminino. Requerida a alteração, o Ministério Público que atuava perante aquela repartição judiciária não somente discordou do pedido como entendeu que houvera crime, o de lesão corporal grave (na classificação doutrinária: gravíssima): artigo 129, § 2°, inciso III (perda ou inutilização de membro, sentido ou função – não fora a perda do membro viril, afinal extirpado, mas sim a perda da função de reprodução). Não obstante tivesse o cliente concordado com a intervenção médica, a integridade corporal é um bem indisponível, o que torna inválida qualquer concordância.
      Por ter entendido que houvera crime, e de ação penal pública (a punição do suposto autor independe da vontade da vítima), o Promotor de Justiça requisitou à Polícia Civil a instauração de inquérito, o que foi feito. O médico foi processado, contratou uma equipe dos melhores advogados (dentre os quais Heleno Cláudio Fragoso, autor do livro [entre outros] “Lições de Direito Penal”), mas foi condenado, tendo sido imposta a pena de 2 anos de reclusão (era – é ainda – a pena mínima prevista ao crime), com a suspensão condicional da execução da pena. Inconformadas, as partes, réu e Ministério Público, recorreram e o (então) Tribunal de Alçada Criminal, por dois votos a um, absolveu o médico por entender que ele não houvera agido com dolo.
      O sonho acalentado por Bianca não teve um caminho tão tortuoso. Submetida inicialmente a uma avaliação multidisciplinar (ou multicientífica) numa universidade estadual, em que intervieram médicos, psicólogos, psiquiatras, assistentes sociais, foi elaborado um laudo que concluía pela necessidade da cirurgia. Porém, os cirurgiões, talvez conhecedores do caso anterior (Waldirene), único até então no Brasil, condicionaram a cirurgia a uma autorização judicial. E lá foi “ela” (até então “ele”) à Procuradoria do Estado à procura de um profissional que requeresse judicialmente a autorização. A colega a quem coube a atribuição digitou o pedido e ele foi distribuído à Vara do Júri da comarca de Campinas, cujo titular, em longa e erudita decisão, autorizou a intervenção cirúrgica.
      A cirurgia foi realizada e foi um sucesso; Edilson, seguindo na mesma trilha de Waldir, requereu, agora a outro juiz, óbvio, a alteração do registro civil, não apenas quanto ao sexo, mas também quanto ao nome: ele queria chamar-se Bianca Vitória, esta uma alusão ao sucesso da operação. Deu-se mal nos dois pedidos: ambos foram indeferidos. Porém, realizou o sonho de toda mulher: casou-se. O conúbio não durou muito tempo: o consorte morreu, “assassinado” que foi num “assalto”.
      Quando me contaram do passamento do esposo, ingenuamente pensei que tal se dera por excesso de prazer...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …