Pular para o conteúdo principal

Morto ao sair





    
      Não tenho clara lembrança do tempo em que aconteceu este episódio: não lembro se ele ocorreu quando eu, “pro bono”, prestava assistência jurídica aos presos do “cadeião” do São Bernardo, o que aconteceu nos anos de 1977 e 1978, ou quando, já como Procurador do Estado, no ano de 1983, fui designado, após uma sangrenta rebelião, para ali prestar assistência jurídica sem prejuízo das minhas atribuições normais, que se davam na área civil da Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas.
          Mas o fato em si está bem vívido na minha memória. Ele era um daqueles presos esquecidos pelo sistema, cumprindo pena numa cadeia pública em que não havia assistência jurídica, numa cela com mais quinze outros (ou mais) desafortunados. Era muito simples, afável, conversava bem, era humilde e respeitador.
          Atendi-o certa ocasião e ele dizia que estava preso mais tempo do que a pena que lhe fora imposta. Que não via a hora de deixar o cárcere. Que – esta descrição era de emocionar – subindo num dos catres, ele, com algum esforço, conseguia enxergar a copa da mangueira que havia no quintal da casa que a sua família morava (e que morara até ser preso), pois a modesta moradia era ali mesmo no bairro do São Bernardo.
          Interessei-me pela sua história, principalmente pela parte em que ele relatava que estava preso mais tempo do que a pena determinava. Fui ao fórum, retirei o seu processo de execução. Havia vários apensos. Várias penas a cumprir. Li o cálculo de penas. Somei uma a uma. Alcancei a pena total. Ele tinha razão: a pena total que lhe fora imposta já estava cumprida. Ele estava preso indevidamente.
          Elaborei uma petição ao magistrado apontando as penas, a soma de cada uma, o total, o início do cumprimento, culminando por demonstrar que a reprimenda já havia sido cumprida e que, portanto, ele deveria ser solto. Atendendo ao meu pedido, o magistrado, depois de que o Ministério Público se manifestou favoravelmente ao meu pleito, determinou a expedição de alvará de soltura em favor do condenado pelo cumprimento da pena.
          Ele foi solto. A primeira providência ao sair foi ir à casa de um desafeto, com quem se desentendera no presídio, tomar satisfações. Deu-se mal. Ao tentar agredi-lo, o desafeto sacou de uma arma de fogo que portava e fez vários disparos, acertando-o e matando-o.
          Melhor teria sido permanecer preso: teria continuado vivo.

(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", Editora Millennium.) 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …