Pular para o conteúdo principal

O balde de água e a ELA


 

   
   Muitos têm visto a cena: uma celebridade, não importando de que área de atuação (George W. Bush, Mark Zuckerberg, Daniela Ruah), despeja sobre si mesma um balde de água, às vezes de gelo, às vezes de ambos (houve uma que despejou sobre si um balde de dólares), mas não tem entendido; quando muito, consegue a informação de que se trata de uma campanha tendente a arrecadar fundos para as pesquisas sobre a esclerose lateral amiotrófica, ELA, também chamada de “mal de Lou Gehrig” ou “doença de Charcot”. Jean-Martin Charcot foi um médico e pesquisador francês (1825-1893). Já Lou Gehrig foi um jogador de futebol americano falecido aos 38 anos e que padecia dessa moléstia; retirou-se do esporte que praticava (bem) aos 36 anos, tendo falecido dois anos após (1903-1941).
      Existe um livro belíssimo chamado “A última grande lição: o sentido da vida”, escrito por Mitch Albom e que narra o seu reencontro e convivência com um antigo professor do tempo de universitário, Morrie Schwartz, que padecia desse mal: o livro é emocionante, pois acompanha os últimos dias da vida do mestre. Depois de lê-lo, vivi o seguinte episódio: eu estava fazendo, em sistema de plantão, o atendimento de público na Procuradoria Regional de Campinas, quando entrou na minha sala uma mulher e começou a narrar a sua desdita, não contendo o choro; dela, não: de seu marido, que estava acometido de uma doença degenerativa incurável e o casal não tinha dinheiro para custear o tratamento. Indaguei pelo nome da doença. Ela respondeu: o senhor não conhece; é esclerose lateral amiotrófica. Completei: também conhecida por mal de Lou Gehrig. Ela arregalou os olhos: o senhor conhece. Sim, li sobre ela. Após atendê-la, tomei a liberdade de recomendar a ela que lesse o livro “A última grande lição...”, para que ela se preparasse para o que a doença provocaria em seu marido, que, naquela altura, tinha 38 anos. Destaquei um Procurador do Estado para requerer judicialmente o custeio do tratamento, que era – é ainda – meramente paliativo, e a medida foi deferida.
            Pessoas famosas sofreram ou sofrem dessa insidiosa moléstia: o físico teórico Stephen Hawking, o músico Charles Mingus e o futebolista brasileiro (que jogou no Fluminense e na seleção brasileira) Washington, morto aos 25 de maio de 2014.
            A campanha desencadeada chama-se Ice Bucket Challenge (literalmente: desafio do balde de gelo) e a sua finalidade é arrecadar dinheiro para que as pesquisas sobre a doença possam ser incrementadas, descobrindo-se a sua origem e consequentemente a sua cura. Como sempre existe o lado contrário, há pessoas, principalmente “nesta terra descoberta por Cabral”, criticando a campanha, pois dá, segundo a visão deturpada desses “do contra”, mais destaque às celebridades do que à doença. Não é bem assim: a campanha tem feito com que as pessoas olhem para os participantes da campanha e tomem conhecimento da existência dessa terrível moléstia degenerativa e incurável. Para usar uma frase do livro: “com a doença, a musculatura da pessoa derrete como a cera da vela”.
            É de se esperar que milhões de dólares sejam arrecadados (já ultrapassou a marca dos 15 milhões) e que as pesquisas atinjam aquilo que pretendem, para que o mal deixe de ser incurável.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …