Pular para o conteúdo principal

Pizzolato e as prisões brasileiras


   
   A história de Henrique Pizzolato é de quase todos conhecida: de simples ex-presidente do Sindicato dos Bancários da cidade de Toledo, Paraná, foi alçado à condição de diretor do Banco do Brasil. Usando recursos do Visanet, ele foi um dos os “alimentadores” do “mensalão” e por ter sido comprovada a sua participação nos crimes apurados na Ação Penal n° 470, que tramitou no Supremo Tribunal Federal, foi condenado e lhe foi imposta a pena de 12 anos e 7 meses de reclusão, no regime inicialmente fechado.
      Ao contrário do que fizeram todos os outros acusados, ele preferiu não recorrer, deixando que a condenação transitasse em julgado, bandeando-se do Brasil à Itália, já que tinha dupla cidadania. Quase todos os acusados recorreram, e muitos, aqueles cujas condenações não tinham sido unânimes, obtiveram êxito em suas pretensões recursais, com a diminuição da pena e a mudança de regime, de fechado para semi-aberto; alguns já obtiveram progressão, estando presentemente no regime aberto – prisão albergue. Como não há nenhuma Casa do Albergado no Brasil, que é local em que o regime aberto deve ser cumprido, é concedida a prisão albergue domiciliar.
      Descoberto na Itália, ele foi preso e o Brasil acionou o instituto da extradição, medida prevista não apenas na Constituição da República Federativa do Brasil, bem como na Lei de Estrangeiros (n° 6.815, de 19 de agosto de 1980). Em relação ao país que a requer, ela é chamada “extradição ativa”; ao que é pedida, “extradição passiva”. No Brasil, os pedidos de extradição são julgados pelo Supremo Tribunal Federal, por uma de suas duas turmas. Na Itália, não.
      Feito o pedido, todos os que conhecem minimamente o Direito Internacional esperavam que a extradição fosse indeferida por conta da dupla cidadania: Pizzolato é também italiano (a título de ilustração, o Brasil NUNCA concede a extradição de brasileiro nato; de brasileiro naturalizado, em caso de crime comum praticado antes da naturalização, ou de comprovado envolvimento em tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins – artigo 5°, inciso LI, da Constituição).
      Porém, surpreendentemente, o Tribunal de Bolonha indeferiu o pedido com base na situação dos estabelecimentos prisionais brasileiros; sabe-se que o advogado do fugitivo ilustrou a sua defesa com fotos e reportagens daquelas barbáries acontecidas na terra do (infelizmente) imortal Sarney, no Complexo de Pedrinhas. Os representantes do Brasil, por seu turno, apresentaram fotos e relatórios de (uns poucos) presídios brasileiros que reúnem condições mínimas ao cumprimento da pena exigidas pela Constituição, Lei de Execução Penal e tratados e convenções a que o Brasil aderiu. De nada adiantou. Pior seria se o advogado de Pizzolato tivesse usado o vídeo produzido pela CPMI do Sistema Penitenciário.
      As autoridade brasileiras ficaram estarrecidas e com razão: não há país no mundo, exceto um ou outro presídio, em que a pena privativa de liberdade não esteja em crise e essa crise se arrasta há anos, tendo sido tentadas soluções, alvitradas pela ONU, e uma delas é a criação das penas alternativas (assim chamadas como uma alternativa à pena privativa de liberdade), de que é espécie a prestação de serviço à comunidade.
      Eu ouvi pela primeira vez a expressão “crise no sistema carcerário” quando cursava o primeiro ano da Faculdade de Direito e isto se deu no longínquo ano de 1971: de lá a esta data essa crise só tem aumentado - prisões superlotadas, presídios dominados por facções, pena que não ressocializa e outras perversões mais.
      O que mais assusta na decisão da justiça italiana é que, se a moda pega, nunca mais será concedida uma extradição, e o fundamento em que se apoiou a corte bolonhesa nunca foi utilizado pelo STF para negar uma extradição: a diário o “site” da mais alta corte de justiça brasileira publica concessão de extradição e nenhuma delas que tenha sido indeferida baseou-se no fundamento da “situação das prisões” do país requerente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …