Pular para o conteúdo principal

Até agora ninguém foi preso.




      Ou: por enquanto ninguém foi preso. Essa frase se tornou corriqueira nos telejornais de todo o Brasil e habitualmente encerra a locução de notícias sobre crimes, muitas vezes sem que se saiba o nome do (suposto) criminoso (ou criminosos). Por exemplo: “três homens encapuzados 'assaltaram' uma agência bancária no bairro Aparecidinha. Até agora ninguém foi preso”. A primeira pergunta que me assalta (sem nenhuma conotação com o fato) é a seguinte: como alguém desconhecido poderia ser preso? A não ser que a polícia tivesse poderes mediúnicos ou extrassensoriais ela poderia, usando talvez uma bola de cristal, descobrir a identidade dos “assaltantes” e o local em que eles estivessem e efetuar a prisão.
      Essa frase tola (imagino que os redatores dos telejornais não se deram conta do grau de tolice que ela exprime, ou, talvez, o que é duvidoso, tenham alcançado o grau de bobagem que ela encerra todavia continuam escrevendo-a somente como uma crítica velada à polícia) leva a uma reflexão séria, contida numa pergunta: em quais situações uma pessoa pode (melhor dizendo: deve) ser presa?
      Até o ano de 1988, data em que foi promulgada a constituição-cidadã (como gostava de chama-la o deputado Ulysses Guimarães, que presidiu a “constituinte”), as prisões arbitrárias eram feitas e toleradas: eram as chamadas “prisões para averiguação”. Elas ocorriam em geral na quinta-feira, que era para que o preso sequer conseguisse contratar um advogado, e, se conseguisse, o profissional somente conseguiria tentar alguma medida judicial na segunda-feira (essa prática resiste até hoje, como se pode constatar na operação Lava-Jato [em menor escala aconteceu em Campinas, no famoso “caso SANASA”]); ademais, não existiam ainda os plantões judiciários. Como também o preso precisa se alimentar, tão logo a pessoa era encarcerada o seu nome passava a constar de uma lista para que a ele fossem fornecidas as refeições.  
      Com o advento da Constituição de 1988, a prisão somente pode efetuar-se se a pessoa for surpreendida em flagrante delito ou por ordem da autoridade competente, no caso, o juiz de Direito. As situações de flagrante estão descritas no artigo 302 do Código de Processo e são aquelas em que a pessoa está cometendo o crime, acabou de cometê-lo ou é encontrado, logo após, em situação que autorize a presumir que ele cometeu o crime. A etimologia da palavra flagrante é interessante: ela deriva do latim “flagrans”, que significa queimar, arder. A doutrina divide em flagrante próprio, impróprio e presumido. Num crime de homicídio, por exemplo, a pessoa é surpreendida matando a vítima; ou é surpreendida quando acabou de mata-la; ou, finalmente, é surpreendida com as vestes suja de sangue e portando a arma utilizada no crime.
      A autoridade competente para decretar a prisão – e aqui a Constituição inovou – é somente o juiz de Direito e ela se divide em prisão temporária e prisão preventiva, ambas espécies do gênero prisão provisória ou cautelar. Como a mesma constituição adotou o princípio da presunção (ou estado de inocência) de inocência (“ninguém será considerado culpado enquanto não transitar em julgado a sentença que o tenha condenado”), ele seria impeditivo de que uma pessoa fosse presa antes de que tenha transitado em julgado a sentença que o tivesse condenado, mas o Supremo Tribunal Federal, em mais de uma ocasião, já se posicionou no sentido da legalidade da prisão antecipada.
      A prisão provisória é decretada ainda no curso do inquérito policial; já a preventiva, no curso do processo penal. É óbvio que para que o juiz decrete uma ou outra há a necessidade da ocorrência de alguns requisitos que, se não existirem, a prisão decretada será considerada ilegal e, portanto, um constrangimento ilegal à pessoa presa.
      Quando a mídia, ao final da notícia da ocorrência de um crime, afirma que “ninguém foi preso”, tal prisão somente poderia ser a em flagrante delito, pois não haveria tempo de que fosse feito um pedido nesse sentido a um juiz, mas como muitas vezes no próprio contexto da notícia está dito que eram desconhecidos, encapuzados e outros que tais, e que fugiram, fica nítida imbecilidade da afirmação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto