Pular para o conteúdo principal

A morte como pena

A vida é aquilo que acontece quando fazemos planos para o futuro.
John Lennon



      De forma indireta, voltou, pela enésima vez, a discussão sobre a pena de morte, ao ser executado um brasileiro na Indonésia, condenado que fora a tal pena sob a acusação de tráfico de entorpecente: tentou introduzir no território indonésio, levando nos tubos da estrutura de sua asa delta 13 quilos (e alguns gramas) de cocaína. Infrutíferas foram as intervenções governamentais brasileiras para que a pena capital fosse comutada em prisão perpétua.
      Conforme dito linhas acima, a discussão sobre a pena de morte é interminável e nem os seus defensores se põem de acordo quanto às espécies de crime que deveriam ser punidos com essa pena. Geralmente, raciocina-se em termos casuísticos, apontando algumas infrações penais às quais a morte deveria ser cominada como punição.
      Antes de mais nada, é bom que seja dito que a Constituição da República Federativa do Brasil, aquela que o presidente da constituinte (Ulysses Guimarães) carinhosamente chamava de “constituição-cidadã”, proíbe a adoção da pena de morte (bem como da pena de prisão perpétua) e o faz de modo coerente pois ela mesma protege a vida: seria uma incoerência proteger a vida e arvorar-se no direito de tira-la. Não apenas a constituição protege a vida, mas também a Convenção Americana de Direitos Humanos (Pacto de São José da Costa Rica), a que o Brasil aderiu, protege a vida e posta-se parcialmente contra a pena de morte, aduzindo que “não se pode restabelecer a pena de morte nos Estados que a hajam abolido”. A Convenção realizou-se no ano de 1969 e foi posta em vigor no Brasil 23 anos depois, ou seja, em 1992.
      Pena de morte, como já apontou um filósofo, é uma contradição em termos, pois a pena, visto como um castigo imposto pelo Estado, deve principalmente servir para que o condenado não volte a transgredir a lei, o que é impossível quando ele morre. Uma das finalidades da pena, modernamente, em que o Estado não mais “descarta” os seus componentes que tenham errado (alcoolismo, drogadicção), envidando esforços para “recupera-los”, tornando-os novamente aptos a viver em sociedade, é a prevenção especial, que se resume nos efeitos que o transgressor deve sofrer ao cumprir a pena.
      A pena privativa de liberdade obriga o condenado, todos os dias do cumprimento da pena que lhe foi imposta, a meditar sobre o crime que cometeu e a privação de liberdade que sofreu, traçando entre ambos – crime e pena – uma relação de causalidade que faz com que todos os dias possa sentir o quão equivocado esteve ao cometer o crime, dando-lhe oportunidade para que volte “melhor” ao convívio social; melhor no sentido de que não mais cometa delitos.
      Um dado contrário à adoção da pena de morte é que nos países que a adotam a criminalidade não diminui: este argumento não é importante porque a finalidade do Direito Penal não é diminuir a criminalidade mas sim proteger os bens jurídicos mais importantes à sociedade e se com essa proteção conseguir refrear os crimes é um avanço a mais, porém não é a sua finalidade. É certo que o outro tipo de prevenção, a geral, deve atuar como contra-estímulo aos demais membros da sociedade que pretendam delinquir, fazendo-os desistir do intento de cometer crime.
      Conforme dito, o debate jamais cessará, porém, e também como já dito, a morte não cabe no conceito de pena: ela é o término de tudo. E em Direito Penal, no que diz respeito à punição, sempre deve caber a ideia da reconstrução.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …