Pular para o conteúdo principal

Dilma e o direito de mentir




    
  A legislação constitucional, bem como a processual-penal, permite que o acusado de haver praticado um crime possa permanecer em silêncio quando for ouvido na fase de inquérito policial ou mesmo em juízo. O ministro (do Supremo Tribunal Federal) Nélson Hungria, cognominado “príncipe dos penalistas brasileiros”, há quase meio século apregoava que o direito de defesa compreendia o direito de mentir. Quando fez esta observação, ele tinha os olhos postos na legislação de então (melhor seria dizer de “antanho”), ou seja, da década de 40 (registro que o Código Penal é de 1940 e entrou em vigor em 1942 e o de Processo Penal é de 1941 e entrou em vigor também em l942).
      As leis brasileiras não tinham ainda atingido o grau de proteção ao acusado que existe hoje. Devemos erigir como marco a “constituição cidadã” (como carinhosamente a chamava o presidente da constituinte, deputado Ulysses Guimarães), que é do ano de 1988. Depois, veio a aprovação da Convenção Americana dos Direitos Humanos (Pacto de São José da Costa Rica), que é de 1969, mas foi posta em vigor somente no ano de 1992. De igual forma, e paulatinamente foram feitas modificações no Código de Processo Penal sempre visando ao aperfeiçoamento da garantia.
      Em tempos atuais, ninguém que for acusado de ter praticado um delito pode ser obrigado a fazer prova contra si mesmo (em latim: “nemo tenetur se detegere”; em inglês: “privilegie against self incrimination”), compreendendo essa cláusula o direito, conforme as próprias normas especificam, de permanecer em silêncio, ou seja, de não responder nenhuma pergunta que lhe for formulada.
      Voltando às palavras do insigne ministro, se a pessoa, em vez de permanecer em silêncio, resolver falar, porém mentindo, ela pode fazê-lo, mas aqui evidentemente há um limite: as suas mentiras não podem constituir-se elas mesmas em delito, seja contra a honra (calúnia), seja contra a Administração da Justiça (denunciação caluniosa). O tema é complexo, mas em linhas gerais é dessa forma que a lei pode (deve) ser aplicada. Incontáveis vezes, no exercício da atividade de Procurador do Estado mas com funções de defensoria pública, atuando em defesa de acusados que não tinham condição de contratar advogado, vi réus mentindo descaradamente ao negar a prática da infração ao passo que as testemunhas apontavam-no como o autor do fato. Seu Sebastião foi um deles: acusado de ter matado o próprio filho com uma certeira facada no coração, ele negou em juízo tê-lo feito, enquanto que testemunhas presenciais – uma delas o seu genro – afirmavam ter visto o delito. Abaixo coloco o “link” em que está posto o artigo que escrevi sobre o tema.
      E quando se trata de um governante que almeja a sua reeleição: ele tem o direito de mentir? Que político mente é fato consabido: conta-se que um candidato a governador discursava numa cidade e, inflamado, prometeu que, se eleito, mandaria construir uma ponte. Cutucado por assessor que o informou não existir rio naquela urbe, emendou: mandarei desviar um rio para cá também. Alguns preferem dizer que em campanha o político não mente, exagera: não vejo diferença nisso.
      Na campanha presidencial nunca se viu um candidato (candidata, no caso) mentir tão deslavadamente, não apenas distorcendo fatos, mas mentindo acerca de providências que tomaria caso eleita. É um hábito analisar os cem dias de governo em qualquer nível, porém nem se havia completado um mês de sua posse quando ela desmentiu-se daquilo que disse durante a campanha (e especialmente durante os debates), fazendo um aumento de tributos, cortando garantias trabalhistas e outras providências maldosas.
      É lamentável que entre as causas para que possa ser pedido o “impeachment” não  estejam as mentiras utilizadas para obter a eleição: se fosse aplicada a regra que todos devem ter vergonha na cara, a mentira deveria ser motivo para cassar a eleição do Pinóquio. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …