Pular para o conteúdo principal

Direito de espernear



      Algo que aprendi, entre outros vários ensinamentos, enquanto cursava a faculdade de direito, foi uma expressão muito em voga na época: “jus esperniandi” (alguns escrevem “jus esperneandi”). A grafia é em latim, como logo se pode perceber, porém ela não existe dentre todas as expressões – que são incontáveis – e brocardos – inexcedíveis – existentes na cidadela jurídica.
      Os brocardos são dos mais variados matizes jurídicos e sempre grafados em latim (o Direito Brasileiro é herdeiro direto do Direito Romano [e por consequência do Direito Italiano] e isso fica mais notável em Direito Penal, em que muitos delitos têm a origem do nome em latim: homicídio vem de “hominis occidium” ou “hominis excidium” – a morte de um homem provocada por outro homem; estelionato vem de “stellio”, “stellionis”, que significa camaleão, o famoso, no jargão policial, “17 de janeiro”, ou 171. Um brocardo: “dormientibus non socurrit jus” – o direito não socorre os que dormem. Outro: “si vis pacem para bellum” – se você quer paz, prepara-te para a guerra.
      Uma expressão: “manu militari” – com uso da força. Outra: “cum grano salis” – com parcimônia, com moderação. “Isto deve ser interpretado ‘cum grano salis’”.
      O “jus esperneandi” não existe seriamente nos dicionários jurídicos e assemelhados e significa que a atitude que a pessoa tomou é tão esdrúxula que é um puro exercício do direito de espernear ou de reclamar. Em outro sentido, uma atitude tomada para agradar a torcida ou o cliente. O “jus esperneandi” muitas vezes manifesta-se, e o campo jurídico é altamente propício a tanto, sob a forma de uma ação proposta ou de um recurso interposto. Dizem os críticos que existe um número excessivo de recursos no processo brasileiro (tanto penal, quanto processual), o que tem contribuído para tornar mais morosa a atividade judicante.
      Inúmeras vezes, no exercício de minha atividade de Procurador do Estado atuando como defensor público, vi o réu que confessou a prática do delito e que fora reconhecido pelas testemunhas, bem como tendo sido apreendido em seu poder instrumento e/ou produto do crime, condenado a pena mínima, querendo recorrer. Eu tentava dissuadi-lo disso, mostrando-lhe que todas as condições eram desfavoráveis e que raramente o seu apelo seria julgado procedente, em vão: ele interpunha o recurso e a mim cabia apresentar as razões recursais, sem ter quase nada a apresentar como fundamento. Era um claro exercício do “jus esperneandi”.
      Outros cristalinos exemplos desse pretenso direito estão nas recentes manifestações do presidente do Partido dos Trabalhadores, especialmente naquelas em que ele afirma, com uma expressão facial de quem está falando sério, que vai processar os réus delatores que afirmaram em juízo que o seu – dele, presidente – partido levou uma “bufunfa” estratosférica a título de corrupção em infindáveis contratos de empreiteiras (e outras empresas) com a Petrobras.
      Não creio que ele, presidente, acredite no que está falando, pois, se acreditar, está muito mal assessorado juridicamente. Como já escrevi “em mal traçadas linhas” neste espaço, todo e qualquer réu (ou indiciado) que se proponha a delatar o esquema delituoso de que participava “dando nome aos bois”, não pode ser acusado de nenhum delito, já que se trata de exercício regular de direito: é seu direito de, incriminando-se e incriminando os demais partícipes da empreitada delituosa, receber um benefício legal que vai de uma simples diminuição da pena a uma total isenção: neste caso, ele é condenado, a pena é calculada porém o juiz deixa de impô-la.
      Pois é: ou o presidente está “jogando para a plateia” (no caso, a militância), ou está em pleno exercício do “jus esperneandi”.     
     

Comentários

  1. Muito pertinente. A estratégia do PT é exatamente essa, jogar uma mentira para platéia até parecer verdade.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …