Pular para o conteúdo principal

A corrupção


 
   
         No Direito Penal brasileiro e desde tempos imemoriais a corrupção é considerada crime. Há duas espécies de corrupção: a passiva e a ativa. A primeira, que está descrita no artigo 317 do Código Penal, ocorre quando o funcionário público “solicita ou recebe, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida, ou aceitar promessa de tal vantagem”; a pena é de reclusão, de 2 a 4 anos, e multa (esta pode ser de 10 a 360 dias-multa, no valor cada um de 1/30 do salário mínimo até 5 vezes esse salário). Portanto, quem pratica a infração é o funcionário público. Já a ativa, que está descrita no artigo 333, consiste em “oferecer ou prometer vantagem indevida a funcionário público, para determina-lo a praticar, omitir ou retardar ato de ofício”, com a pena de reclusão, de 2 a 12 anos, mais multa. Aqui, o sujeito ativo é o particular que corrompe ou tenta corromper o agente público.
            Comparando-se os dois artigos em questão constata-se uma disparidade: ao passo que o funcionário público que “solicita ou recebe”, ou “aceita promessa”, sempre de vantagem indevida, fica sujeito a uma pena máxima de 4 anos – o que lhe daria direito desde logo a cumprir a pena em regime aberto desde o início -, o particular que corrompe ou tenta corromper fica sujeito a uma pena privativa de liberdade no máximo de 12 anos. É mais grave a conduta de um funcionário público que “achaca” o particular ou do particular que “compra” ou tenta “comprar” o ato funcional? Na melhor das hipóteses, a pena máxima cominada à corrupção passiva deveria ser mais alta.
            Os livros de Direito Penal brasileiros contém algumas preciosidades quando se estuda o tema em questão e uma delas é a seguinte: e os pequenos agrados com que o particular, agradecido pelo atendimento prestado pelo funcionário público, presenteia o agente público, podem ser considerados corrupção? Há mais de cinquenta anos, Nelson Hungria (que presidiu a comissão que elaborou o Código Penal) afirmava que esses pequenos regalos não poderiam se constituir em crime de corrupção. Exemplificava: os mimos dados aos carteiros no fim do ano, bem como aos lixeiros (se bem que hoje esta atividade seja praticada por empresas particulares contratadas pelo poder público). Porém, o sumo mestre de Pisa, Francesco Carrara, advertia no século XIX que nesse tema deveria aplicar-se aquela máxima: “temo os gregos, ainda que tragam presentes”. Para ele, presente ao funcionário era como o cavalo de Tróia: um presente de grego.
            Num livro interessante, chamado “Sociologia da corrupção”, composto de vários artigos, alguns escritos por juristas, outros, como o próprio nome designa, por sociólogos, há uma defesa da corrupção, ou pelo menos, que não seja considerada crime, pois, segundo o seu autor, as quantias movimentadas pela corrupção circulam entre as pessoas, mudando de mãos e fazendo a riqueza trafegar. O autor de um dos artigos, um brilhante advogado criminalista carioca (Antônio Evaristo de Moraes Filho), foi, tempos depois, defensor de Fernando Collor de Mello quando este foi processado eplo crime de corrupção passiva perante o Supremo Tribunal Federal (o ex-presidente foi absolvido e a vantagem indevida por ele recebia foi um carro Fiat Elba). Sem chegar a tanto, o jusfilósofo Miguel Reale apontava que o crime tem um lado positivo, qual seja, fazer com que norma, ao ser aplicada, se reforce, agigantando-se.
            Como se disse recentemente, a corrupção é uma “velha senhora” (só faltou dizer que era respeitável), numa alusão que ela não foi criada ontem. É verdade. Como política de Estado, porém ela tem, digamos, uns 13 anos, quando, com a implantação do “mensalão”, ela passou a ser encarada como política pública. Ela precisava ser praticada para que os objetivos governamentais lícitos fossem atingidos: esta era uma das teses ventiladas pelos detentores do poder ou quem falava por eles. Os “corpos” dos atingidos pela dura mão da justiça no episódio do “mensalão” mal tinham adquirido o ‘rigor mortis” e já surgia a ponta de outro iceberg, o ‘petrolão”, e aqui não se tratou de arrecadar dinheiro sujo para objetivos limpos, mas sim para enriquecer alguns e com as sobras pagar dívidas de campanha a fim de se eternizar no poder. Ou vice-versa.
            Tudo isso enquanto “dormia, a nossa pátria mãe tão distraída, sem perceber que era subtraída, em tenebrosas transações”, como sabiamente disse o petista Chico Buarque de Hollanda na célebre música “Vai passar”.
            É um ato de prestidigitação – em vulgar, mágica – apresentar um projeto de “endurecimento” da lei penal para que os crimes parem de ser praticados (ou diminuam): já que um dos lemas (mentirosos) do atual governo é “pátria educadora”, que tal educar os brasileiros, desde a mais tenra idade, ensinando-os que o funcionário público não pode aceitar nada além de seu salário?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …