Pular para o conteúdo principal

O vigilante explosivo




 
      Explodiu – perdão pelo trocadilho – como uma bomba uma inusitada ocorrência envolvendo roubo a banco no distrito de Barão Geraldo: um vigilante do estabelecimento foi sequestrado e teve amarrado explosivo ao seu corpo; os sequestradores – e postulantes a gatunos – determinaram a ele que se dirigisse à agência e ali entregasse um celular à gerente para que outra pessoa exigisse que o cofre-forte fosse aberto e a dinheirama  entregue a ele; caso isso não ocorresse, o explosivo seria acionado, matando o vigilante e destruindo o local. A gerente não abriu o cofre, consequentemente o dinheiro não foi entregue e se constatou que o material amarrado na pessoa não era explosivo. A polícia investiga se houve mesmo sequestro ou se tudo foi arquitetado pela suposta vítima.
      Essa nova forma – ao menos, no Brasil - de atacar o patrimônio alheio presta-se plenamente para a realização do crime que se pretende cometer, no caso, extorsão; esta modalidade delituosa está descrita no artigo 158, cujo teor é o seguinte: “constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, e com o intuito de obter para si ou para outrem indevida vantagem econômica, a fazer, tolerar que se faça ou deixar de fazer alguma coisa”, com as penas de reclusão, de 4 a 10 anos, e de multa. Como o tipo penal fala em “grave ameaça” deixando aberta a interpretação, a ameaça de explodir uma bomba com o intuito de fazer com que determinada quantia de dinheiro seja entregue cabe perfeitamente no tipo penal. O que há de novo é que não há registro no Brasil de que essa forma de cometer a extorsão tenha sido tentada.
      Porém, nos EUA, há alguns anos, houve caso semelhante na forma, mas diferente nos resultados: uma pessoa de nome Brian Wells (entregador de pizzas) com explosivos amarrados ao corpo foi a uma agência bancária e exigiu que o dinheiro dos caixas fosse entregue; caso contrário outra pessoa acionaria a bomba. Uma parca quantia foi entregue, mas, ao mesmo tempo, a polícia foi chamada e a pessoa foi impedida de fugir; ela foi obrigada a se sentar na calçada enquanto se aguardava a chegada o esquadrão anti-bomba, porém não houve tempo: o artefato explodiu, matando a pessoa. A morte não impediu que as investigações prosseguissem e se chegasse à conclusão de que aquela pessoa não fora sequestrada, mas sim estava acumpliciada com os ladrões: ela fazia parte do golpe. Anos após, e agora já era o ano de 2011, a Promotoria anunciou o resultado das investigações, com obviamente a conclusão de que o “homem-bomba” não era vítima da trama, e sim participante ativo. Seus familiares irritaram-se e por intermédio da mídia procuraram contradizer a conclusão do “district attorney” em vão, pois nada alteraria a conclusão atingida.
      Resta saber se na versão tupiniquim o vigilante foi vítima ou o responsável pelo fato. Tenho um palpite: por se tratar de artefato que não era explosivo, tenho a impressão de que ele... Cada qual que conclua como bem entender: a interpretação é livre...
Abaixo o "link" do Youtube no momento da explosão da bomba:
https://youtu.be/IJ52TPPEPhQ

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto