Pular para o conteúdo principal

A marca no chinelo

 
            Ele fora processado e condenado pela prática de três crimes de homicídio qualificado: havia matado uma mulher e as duas filhas dela, crianças. Segundo as acusações, ele havia praticado o crime de atentado violento ao pudor contra uma das garotas. A mãe, ao saber da prática do (então) crime contra a liberdade sexual, procurou a Delegacia de Policia da cidade, tendo sido lavrado o boletim de ocorrência e feita a representação à instauração da ação penal. Ao ser intimado, o então suspeito procurou a mãe da vítima para que ela desistisse da representação; ela não quis.
            Certo dia, trafegando em seu veículo, uma caminhonete, encontrou as três: ali mesmo matou-as a pauladas, colocando os corpos na carroceria do veículo, transportando-os até um rio onde os jogou. No ato de tirar-lhes a vida, perdeu no local um pé de chinelo que calçava e neste havia uma profunda marca produzida por uma calosidade que tinha no pé.
            Depois de atirar os corpos no rio, veio a Campinas e mandou lavar a caminhonete e, para apagar as marcas de sangue da carroceria, esfregou óleo diesel queimado. Pensou que não havia deixado indícios dos atos que praticara. Porém, a investigação policial muito bem realizada indicou-o como o autor dos fatos delituosos: a carroceria foi examinada com uma substância química chamada luminol, que detectou a presença de sangue;  outro dado, este como um indício, foi a existência de inquérito policial instaurado para a apuração do crime sexual praticado contra uma das vítimas. Mas a prova decisiva foi o exame pericial feito no pé de chinelo esquecido no local dos homicídios e confrontado com um dos pés do acusado: o resultado apontou que aquela marca produzida no calçado fora feita induvidosamente por um dos seus pés.
            O julgamento foi desaforado para a comarca de Campinas, onde foi realizado e ele foi condenado por todos os crimes. Quando cumpria a pena, enviou carta à Procuradoria Geral do Estado requerendo que o seu processo fosse reexaminado. A mim me coube examinar o cabimento de requerer uma revisão, o que fiz, apenas para que a pena aplicada fosse reajusta, pois, a meu ver, fora excessiva.
            Infelizmente, aposentei-me antes que o meu pedido fosse julgado pelo tribunal.








Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …