Pular para o conteúdo principal

As falcatruas no futebol e a extradição




      Mais uma vez o tema toma as manchetes de toda a mídia, como já aconteceu antes quando do caso Battisti, do caso Pizzolato e, agora, dos dirigentes da FIFA que foram presos em Zurique, na Suíça, por conta de mandados de prisão expedidos por um tribunal dos Estados Unidos. Entre os encarcerados está nada mais, nada menos do que o vice-presidente da CBF, o longevo José Maria Marin.
      Para quem não lembra, a figura em questão foi vice-governador do estado de São Paulo quando foi governador, nomeado pelo poder militar, Paulo Salim Maluf, entre os anos de 1979 e 1982, tendo se afastado para candidatar-se ao cargo de Deputado Federal. Em seu lugar, como é óbvio, assumiu José Maria Marin.
      A extradição é um dos temas mais interessantes dentro do estudo do Direito Penal e a sua abordagem dá-se quando se estuda a aplicação da lei penal no espaço. De plano, pode-se esclarecer que a lei penal aplica-se em todo o território do país a que pertence: no caso, a lei penal brasileira aplica-se no território brasileiro; a isso se chama princípio da territorialidade. Porém, o Brasil também tem pretensão de que a sua lei penal seja aplicada em território de outro país, porém esse desejo esbarra na soberania de outro país. Este princípio tem o nome de extraterritorialidade e uma das suas vertentes ocorre quando um brasileiro comete um crime no exterior e ali não foi punido. Quando alguém pratica um crime num Estado (país) e foge para outro, é pedida a extradição. Em relação ao país que a requer, chama-se extradição ativa; ao país ao qual ela é pedida, chama-se passiva. Os pedidos feitos ao Brasil são julgados pelo Supremo Tribunal Federal; em outros países, como a Itália, é julgado por um tribunal inferior.
      Há diversos requisitos para que a extradição seja concedida e um deles refere-se à existência de tratado entre os dois países; caso não exista tratado, exige-se a promessa de reciprocidade. O Brasil não concede a extradição de brasileiro e se for nato, nunca; para o brasileiro naturalizado, a extradição pode ser concedida se o crime (tráfico de entorpecente, por exemplo) de que ele é acusado foi cometido antes da naturalização.
      Pois bem, o brasileiro José Maria Marin foi preso no território da Suíça por conta de crimes que foram cometidos, pelo menos em parte, no território dos EUA – como a lavagem de dinheiro, por exemplo – e este país, onde já há três anos existe uma investigação sobre o tema, tem interesse na aplicação de sua lei penal (que mais severa do que a brasileira, diga-se), formulou o pedido de extradição. Concorrentemente, pode o Brasil pretender também aplicar a sua lei penal, e, neste caso, requerer à Suíça a extradição do dirigente brasileiro, porém, o princípio da nacionalidade, que permite que um nacional (brasileiro) que cometeu um crime em território de outro país seja aqui punido, somente se aplica, como já dito, se no país da prática do crime ele não foi punido. Ou seja: a possibilidade é mínima de que ele seja extraditado ao Brasil (uma questão prática: o Brasil não teve ainda acesso às investigações e não sabe sequer o que consta contra o “cartola”).
      Uma opinião pessoal: os EUA estão investigando o futebol por que eles resolveram prestigiar o futebol que ali ainda é incipiente. Abstraindo-se a passagem de Pelé por aquelas plagas, agora, com a montagem de vários times e a criação de uma liga, a MSL (Major Soccer League) que compreende também o Canadá, resolveu-se investir pesadamente nesse esporte e como lá, ao contrário daqui, não existe o “jeitinho”, nem a corrupção é institucionalizada, resolveu-se, primeiro, desinsetizar essa modalidade esportiva, expulsando-se dela os desonestos. E como lá honestidade é assunto sério, já há muitos ratos sendo engaiolados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto