Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2015

O príncipe dos empreiteiros e o verbo destruir

O melancólico ocaso de dois ídolos

A Itália e Pizollato

Num documentário muito interessante, chamado “Draquila - A Itália que treme”, dirigido pela cineasta italiana Sabina Guzzanti, em que o funcionamento do Estado italiano é parcialmente mostrado, com profundas críticas contra o político Sylvio Berlusconi, há uma frase a princípio enigmática mas que tem uma explicação muito fácil: “não é que seja impossível governar a Itália: é inútil”. Todos já ouviram falar, inclusive por postagens no Facebook, do caótico trânsito em algumas cidades da Itália: eu mesmo sou testemunha disso. Estando em Roma no ano de 2009 e fazendo um tour a pé, nosso grupo foi advertido pelo guia local de que não deveríamos confiar nos sinais de trânsito para pedestres, pois os motoristas não os respeitavam e em especial os motociclistas. Para enfatizar o que dizia, apontou algumas estatísticas que demonstravam esse desrespeito. Eu presenciei, nessa estadia, uma cena que até então nunca tinha visto no Brasil: uma mulher, ao volante de um carro pequeno, aguardava que out…

Sharon Stone

Nesse afã de colocar apelidos em pessoas que cometem crimes, a mídia campineira logo alcunhou-a de Sharon Stone (em tempos antigos houve “o ladrão da corda” – um ladrão que entrava nas casas pelo telhado e descia por uma corda que amarrava nos caibros [abaixo do telhado havia um forro de madeira, com um alçapão]; “o bandido mascarado” e outros). Ela era loira e roubava bancos, sempre acompanhada de alguns rapazes. Encabeçava o bando e sempre era barrada na porta giratória: sacava da bolsa um aparelho de som (“walkman”) e o exibia aos vigilantes. Talvez por ser mulher, eles acreditavam que a porta se travara apenas por conta do aparelho e a deixavam entrar. Ganhando o interior da agência, onde já estavam os seus asseclas, ela sacava da bolsa um revólver e a rapina era perpetrada. Foram várias agências bancárias “assaltadas” na cidade de Campinas. Um dos processos tramitava na 4ª Vara Criminal local e coube a mim substituir um colega nessa vara temporariamente. Antes da audiência, fui p…