Pular para o conteúdo principal

O melancólico ocaso de dois ídolos


 
      Eles foram, cada qual em sua área de atuação, ídolos, influenciando mais de uma geração: um no campo da música, outro no humorismo. O primeiro é Roberto Carlos e foi possível acompanhar toda a sua carreira, desde o seu primeiro sucesso (“Parei na contra-mão”) até tornar-se o “rei” (não sei de que...). Liderou o movimento intitulado “Jovem Guarda”, até com programa de televisão nas tardes de domingo, por ele apresentado. Era um desfile dos astros daquele período: o “Tremendão” e parceiro de Roberto, Erasmo Carlos, Wanderléa, Trio Esperança, Golden Boys, Marcos Roberto e outros. “E que tudo mais vá pro inferno” foi um estrondoso sucesso. E ele foi mudando de fases, passando por uma místico-religiosa, tendo como exemplo “A montanha”. Veio a fase romântica, homenagem aos caminhoneiros e outras tantas viradas. Afirmavam que ele tinha TOC – transtorno obsessivo-compulsivo – tal como não usar roupas da cor marrom. Deixando isso de lado, pois a ser verdade, trata-se de uma moléstia, seu final de carreira está sendo melancólico. O primeiro fato foi representado pela censura que ele judicialmente impôs a Paulo Cesar de Araújo pela biografia não-autorizada que Paulo “ousou” escrever sobre Roberto: o acordo que terminou com o processo obrigava a editora a recolher todos os exemplares, e outras tantas coisas. Depois, veio o episódio da Friboi: contratado para ser garoto-propaganda, ele deveria, embora se declarasse desde sempre ser vegetariano, ser filmado comendo carne bovina. A campanha publicitária, paga a peso de ouro, foi um rotundo fracasso, sendo encerrada e o contrato rompido. Parte do cachê recebido deveria ser depositada num paraíso fiscal – o “rei” poderia passar sem essa. Como chave de ouro, ele veio a público elogiar o governo Dilma – ele que nunca assumiu cores políticas, o que era motivo de críticas – num momento em que o governo sofre uma profunda crise de popularidade, para não dizer de credibilidade, em face das mentiras pespegadas pela então candidata e que fez exatament4e aquilo que prometera não fazer "nem que a vaca" tossisse e pelo envolvimento de petistas em roubalheiras sem fim.
      O outro ídolo é Jô Soares. Foi um dos maiores humoristas do Brasil e contestava a ditadura em programas de que participava, tal como “Viva o Gordo” e “Planeta dos homens”. Um seu programa teatral tinha o sugestivo nome de "Viva o gordo, abaixo o regime". Numa época de dura repressão, ele criou um personagem, um delegado de polícia, que torturava os suspeitos (tal qual era feito em alguns porões), e seu auxiliar era o Fonseca, representado por Paulo Silvino. O Delegado mandava "apertar" mais o preso e se dava entre eles o seguinte diálogo:
      - Será que ele guenta?
      - Guenta!
      Saindo do humorismo, ele foi apresentar um “talk show”, o primeiro do Brasil, que era uma cópia – até no uso da caneca – do famoso “Late show”, apresentado por David Letterman. O nome do programa brasileiro, exibido pelo SBT, chamava-se “Jô Soares Onze e Meia”. Notabilizou-se o gordo-entrevistador por querer falar mais do que a pessoa que ele entrevistava. Transferiu-se de emissora e a audiência começou a minguar e eis que, quase no mesmo momento em que Roberto Carlos elogiava Dilma, Jô resolveu entrevistar a presidente, ou seja: num momento em que o governo exercido por ela sofre ataques de todos os flancos, petistas históricos estão cumprindo pena, ou já cumpriram, e outros tantos estão presos preventivamente.
      O que será de deu na cabeça desses dois ídolos para se meterem em política e elogiando um governo que está caindo de podre: só não sabe para que lado cair...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …