Pular para o conteúdo principal

O melancólico ocaso de dois ídolos


 
      Eles foram, cada qual em sua área de atuação, ídolos, influenciando mais de uma geração: um no campo da música, outro no humorismo. O primeiro é Roberto Carlos e foi possível acompanhar toda a sua carreira, desde o seu primeiro sucesso (“Parei na contra-mão”) até tornar-se o “rei” (não sei de que...). Liderou o movimento intitulado “Jovem Guarda”, até com programa de televisão nas tardes de domingo, por ele apresentado. Era um desfile dos astros daquele período: o “Tremendão” e parceiro de Roberto, Erasmo Carlos, Wanderléa, Trio Esperança, Golden Boys, Marcos Roberto e outros. “E que tudo mais vá pro inferno” foi um estrondoso sucesso. E ele foi mudando de fases, passando por uma místico-religiosa, tendo como exemplo “A montanha”. Veio a fase romântica, homenagem aos caminhoneiros e outras tantas viradas. Afirmavam que ele tinha TOC – transtorno obsessivo-compulsivo – tal como não usar roupas da cor marrom. Deixando isso de lado, pois a ser verdade, trata-se de uma moléstia, seu final de carreira está sendo melancólico. O primeiro fato foi representado pela censura que ele judicialmente impôs a Paulo Cesar de Araújo pela biografia não-autorizada que Paulo “ousou” escrever sobre Roberto: o acordo que terminou com o processo obrigava a editora a recolher todos os exemplares, e outras tantas coisas. Depois, veio o episódio da Friboi: contratado para ser garoto-propaganda, ele deveria, embora se declarasse desde sempre ser vegetariano, ser filmado comendo carne bovina. A campanha publicitária, paga a peso de ouro, foi um rotundo fracasso, sendo encerrada e o contrato rompido. Parte do cachê recebido deveria ser depositada num paraíso fiscal – o “rei” poderia passar sem essa. Como chave de ouro, ele veio a público elogiar o governo Dilma – ele que nunca assumiu cores políticas, o que era motivo de críticas – num momento em que o governo sofre uma profunda crise de popularidade, para não dizer de credibilidade, em face das mentiras pespegadas pela então candidata e que fez exatament4e aquilo que prometera não fazer "nem que a vaca" tossisse e pelo envolvimento de petistas em roubalheiras sem fim.
      O outro ídolo é Jô Soares. Foi um dos maiores humoristas do Brasil e contestava a ditadura em programas de que participava, tal como “Viva o Gordo” e “Planeta dos homens”. Um seu programa teatral tinha o sugestivo nome de "Viva o gordo, abaixo o regime". Numa época de dura repressão, ele criou um personagem, um delegado de polícia, que torturava os suspeitos (tal qual era feito em alguns porões), e seu auxiliar era o Fonseca, representado por Paulo Silvino. O Delegado mandava "apertar" mais o preso e se dava entre eles o seguinte diálogo:
      - Será que ele guenta?
      - Guenta!
      Saindo do humorismo, ele foi apresentar um “talk show”, o primeiro do Brasil, que era uma cópia – até no uso da caneca – do famoso “Late show”, apresentado por David Letterman. O nome do programa brasileiro, exibido pelo SBT, chamava-se “Jô Soares Onze e Meia”. Notabilizou-se o gordo-entrevistador por querer falar mais do que a pessoa que ele entrevistava. Transferiu-se de emissora e a audiência começou a minguar e eis que, quase no mesmo momento em que Roberto Carlos elogiava Dilma, Jô resolveu entrevistar a presidente, ou seja: num momento em que o governo exercido por ela sofre ataques de todos os flancos, petistas históricos estão cumprindo pena, ou já cumpriram, e outros tantos estão presos preventivamente.
      O que será de deu na cabeça desses dois ídolos para se meterem em política e elogiando um governo que está caindo de podre: só não sabe para que lado cair...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …