Pular para o conteúdo principal

O drogadicto e a caçamba


 
                        Ele era estudante universitário e de família com posses: os seus pais eram empresários em Campinas. Tinha menos de 21 anos e gostava de consumir entorpecente, especificamente cocaína, e o consumia regularmente.
                        Uma noite, depois de “aspirar uma carreira”, ou algumas, saiu dirigindo o seu veículo e, numa das ruas de um bairro próximo ao centro da cidade, e, talvez pelo efeito da droga, perdeu o controle e colidiu com uma caçamba dessas de recolher entulho de construções. Com a colisão, o veículo imobilizou-se e ele, por motivos que não ficaram esclarecidos, embora não tenha sofrido nenhuma lesão, permaneceu sentado em seu interior. Alertado pelo barulho do impacto, um vizinho olhou pela janela e, vendo aquela cena, acionou a polícia militar em vez de acionar o pronto-socorro municipal. Os milicianos chegaram e, depois de se certificarem que ele estava ileso, pediram para que ele saísse do veículo, e, numa atitude rotineira, fizeram uma busca no interior do carro. Encontraram um papelote de cocaína e, em vista do achado, encaminharam o rapaz ao plantão policial. Foi lavrado o boletim de ocorrência e requisitado o exame pericial na droga. O porte de entorpecente para uso próprio – artigo 16 de Lei 6.830/76 - ainda não era, nessa época, uma infração penal de menor potencial ofensivo, regido pela Lei nº 9.099/95.
                        O inquérito demorou para ser ultimado e remetido a juízo; quando finalmente o foi, o Ministério Público ofereceu a denúncia, que foi recebida e determinada a citação do réu. Fui contratado para atuar em sua defesa. Examinando o processo, notei que, caso ele fosse condenado (que era o que de pior poderia acontecer), a pena imposta seria a mínima cominada ao crime (6 meses de detenção) e que, assim, ocorreria a prescrição  retroativa. Como uma novidade, estava em moda a prescrição retroativa em perspectiva (também chamada de virtual ou antecipada): uma petição ao magistrado foi suficiente para que fosse reconhecida antecipadamente a extintiva da punibilidade chamada prescrição retroativa em perspectiva.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto