Pular para o conteúdo principal

As várias mortes do prefeito - capítulo 89



Nesse depoimento, a ex-companheira de “Anso” - e irmã de Valmires – depôs e afirmou conhecer “Andinho”, “Valmirzinho” e “Fiinho”, admitindo, ainda, ter sido “Anzo” seu “marido”. Na época de seu depoimento ela estava presa na Cadeia Pública de Indaiatuba, cumprindo pena por tráfico de entorpecentes. Sobre a morte do prefeito – e era este o motivo de sua oitiva -, disse que seu “marido” negou ter dele participado.
                        Em seguida, componentes do GAERCO de Campinas requereram a juntada aos autos de depoimentos (testemunhas “A” e “B”[1]) que foram tomados em sua sede, bem como a oitiva delas em juízo e, finalmente, que fosse requisitada cópia do inquérito policial que tramitara na cidade de Sumaré e em cujo bojo estaria apreendida a arma calibre 9mm utilizada na morte do prefeito (tal fato fora afirmado pela testemunha Geraldo.
                        A testemunha “A” era empregada de uma empresa de Bauru que prestava serviços, mais especificamente de segurança patrimonial, à SANASA. A empresa bauruense tinha dois irmãos como sócios majoritários, de nomes Airton e Jair. Depois de discorrer longamente sobre um suposto “esquema” de corrupção que ocorria na prestação do serviço, citando nomes de várias pessoas e várias quantias, a testemunha chegou ao ponto que mais interessava ao processo: ela teria ouvido um diálogo entre Ramiro (sócio minoritário da empresa que prestava os serviços) e Clóvis (segundo as suas palavras, uma espécie de gerente administrativo).
                        “Clóvis – Ramiro, não está tendo mais jeito, estamos tentando de tudo. O Toninho está apertando demais, isso para nós está ficando sufocante, porque uma hora ele pede uma coisa, outra hora ele pede isso; por outro lado, não podemos montar nada, porque não sabe se vai ficar, se não vai ficar.
                        Ramiro – É, esse cara é que nós temos que dar ‘baixa’”.
                        “Dar baixa” no prefeito, como se sabe, em outras palavras significa matá-lo.
                        A segunda testemunha ouvida pelo GAERCO também trabalhava na empresa de Bauru que prestava serviços à SANASA e afirmou ter ouvido um trecho da conversa em que se falava da necessidade de “dar baixa” no prefeito


[1] . Nomes omitidos com base no Provimento 32/00 da Corregedoria Geral de Justiça de São Paulo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …