Pular para o conteúdo principal

O tiroteio na catedral e a legítima defesa de terceiro



      As cenas são estarrecedoras e foram exibidas à exaustão pelas redes de televisão em seus principais telejornais: na escadaria da icônica Catedral da Sé, um homem armado luta com uma mulher que tenta desarma-lo. Em seu socorro vem um homem, que depois se soube era um sem-teto, que empurra o agressor; este, desvencilhando-se, atira no peito do, digamos, socorrista, e, em seguida é alvejado por inúmeros tiros disparados por soldados da Polícia Militar. O sem-teto, encostado na parede da catedral, aos poucos desliza em direção à morte; o agressor inicial, alvejado por diversos projéteis, também sucumbe.
      As cenas, especialmente a vivida pelo sem-teto (pelos telejornais chamado de “morador de rua”, termo que desagrada os assistentes sociais, que preferem denomina-los de “pessoa em situação de rua”; eu, porém, prefiro a expressão “sem-teto”, uma denominação quase universal: homeless  e sin-techo, para citar apenas duas), remete a um tema de Direito Penal que é muito discutido na Europa e no Brasil olimpicamente ignorados pelos penalistas: a legítima defesa de terceiro.
      Tanto a legítima defesa própria quanto a de terceiro estão contidas na descrição do artigo 25 do Código Penal: “entende-se em legítima defesa quem, usando moderadamente dos meios necessários, repele injusta agressão, atual ou iminente, a direito SEU ou de OUTREM”. É comum na doutrina a análise de cada um dos termos que compõem essa causa de exclusão da ilicitude, o que não farei aqui, mas é de se ressaltar que, reconhecido que a pessoa agiu em legítima defesa, o ato por ela praticado não é considerado criminoso; em outras palavras, é lícito.
      A legítima defesa própria, vale dizer, aquela situação em que a pessoa atua em seu próprio benefício, é uma faculdade, ou seja, a pessoa pode ou não concordar com a agressão – e aqui não se aplica o sentido vulgar da palavra, como sinônima de lesão corporal [a pessoa sofreu uma agressão] - e não pretender se defender. A doutrina alemã (Claus Roxim) dá um exemplo curioso: a pessoa acorda durante a noite por causa de um barulho na garagem de sua casa e ao espiar pelo vitrô vê alguém furtando o seu carro e decide não tomar providência. Outro exemplo, este meu: a pessoa é atacada com um tapa no rosto e antes que o agressor a estapeie de novo, ela, numa atitude bíblica, oferece a outra face.
      Ao presenciar uma agressão – aqui ainda no sentido jurídico, qual seja, o de ataque a um bem jurídico - a outrem, a pessoa tem a faculdade de ir em auxílio do agredido, podendo, ao contrário do que pensa o conhecimento vulgar, deixar de prestar ajuda. Na doutrina penal brasileira, somente um autor entende de forma contrária, ou seja, de que pessoa que presencia a agressão tem a obrigação de intervir, mas por ser algo tão esdrúxulo, não será considerado. A conclusão é simples: se a pessoa tem a faculdade de defender-se, por que ela teria a obrigação de ir em socorro de outrem?
      O que as cenas na escadaria da Catedral da Sé mostraram foi exatamente aquilo que preocupa a doutrina penal alemão (e é olimpicamente ignorado pela doutrina brasileira): aquele que vai em socorro de outrem que é agredido pode, ele mesmo, tornar-se vítima da agressão, muitas vezes ao custo do bem maior, a própria vida.
      A atitude do sem-teto foi digna de elogios, porém não é isso que o Direito Penal impõe às pessoas: atos de heroísmo que podem redundar na morte do socorrista.
(Abaixo o "link" com as cenas.)
 https://youtu.be/FCB5VpQ141M

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …