Pular para o conteúdo principal

O tiroteio na catedral e a legítima defesa de terceiro



      As cenas são estarrecedoras e foram exibidas à exaustão pelas redes de televisão em seus principais telejornais: na escadaria da icônica Catedral da Sé, um homem armado luta com uma mulher que tenta desarma-lo. Em seu socorro vem um homem, que depois se soube era um sem-teto, que empurra o agressor; este, desvencilhando-se, atira no peito do, digamos, socorrista, e, em seguida é alvejado por inúmeros tiros disparados por soldados da Polícia Militar. O sem-teto, encostado na parede da catedral, aos poucos desliza em direção à morte; o agressor inicial, alvejado por diversos projéteis, também sucumbe.
      As cenas, especialmente a vivida pelo sem-teto (pelos telejornais chamado de “morador de rua”, termo que desagrada os assistentes sociais, que preferem denomina-los de “pessoa em situação de rua”; eu, porém, prefiro a expressão “sem-teto”, uma denominação quase universal: homeless  e sin-techo, para citar apenas duas), remete a um tema de Direito Penal que é muito discutido na Europa e no Brasil olimpicamente ignorados pelos penalistas: a legítima defesa de terceiro.
      Tanto a legítima defesa própria quanto a de terceiro estão contidas na descrição do artigo 25 do Código Penal: “entende-se em legítima defesa quem, usando moderadamente dos meios necessários, repele injusta agressão, atual ou iminente, a direito SEU ou de OUTREM”. É comum na doutrina a análise de cada um dos termos que compõem essa causa de exclusão da ilicitude, o que não farei aqui, mas é de se ressaltar que, reconhecido que a pessoa agiu em legítima defesa, o ato por ela praticado não é considerado criminoso; em outras palavras, é lícito.
      A legítima defesa própria, vale dizer, aquela situação em que a pessoa atua em seu próprio benefício, é uma faculdade, ou seja, a pessoa pode ou não concordar com a agressão – e aqui não se aplica o sentido vulgar da palavra, como sinônima de lesão corporal [a pessoa sofreu uma agressão] - e não pretender se defender. A doutrina alemã (Claus Roxim) dá um exemplo curioso: a pessoa acorda durante a noite por causa de um barulho na garagem de sua casa e ao espiar pelo vitrô vê alguém furtando o seu carro e decide não tomar providência. Outro exemplo, este meu: a pessoa é atacada com um tapa no rosto e antes que o agressor a estapeie de novo, ela, numa atitude bíblica, oferece a outra face.
      Ao presenciar uma agressão – aqui ainda no sentido jurídico, qual seja, o de ataque a um bem jurídico - a outrem, a pessoa tem a faculdade de ir em auxílio do agredido, podendo, ao contrário do que pensa o conhecimento vulgar, deixar de prestar ajuda. Na doutrina penal brasileira, somente um autor entende de forma contrária, ou seja, de que pessoa que presencia a agressão tem a obrigação de intervir, mas por ser algo tão esdrúxulo, não será considerado. A conclusão é simples: se a pessoa tem a faculdade de defender-se, por que ela teria a obrigação de ir em socorro de outrem?
      O que as cenas na escadaria da Catedral da Sé mostraram foi exatamente aquilo que preocupa a doutrina penal alemão (e é olimpicamente ignorado pela doutrina brasileira): aquele que vai em socorro de outrem que é agredido pode, ele mesmo, tornar-se vítima da agressão, muitas vezes ao custo do bem maior, a própria vida.
      A atitude do sem-teto foi digna de elogios, porém não é isso que o Direito Penal impõe às pessoas: atos de heroísmo que podem redundar na morte do socorrista.
(Abaixo o "link" com as cenas.)
 https://youtu.be/FCB5VpQ141M

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto