Pular para o conteúdo principal

Uma noite (de terror) em Paris



   
   Era a terceira vez que iríamos à “cidade luz” e desta vez por nós mesmos. É que as anteriores fomos em grupo por empresa de turismo e nessas oportunidades nem todas as grandes atrações são visitadas. De qualquer forma, já conhecíamos a Torre Eiffel, o Arco do Triunfo, o Museu do Louvre, Montmartre, Invalides (sem entrar, porém), passeio de “bateaux” pelo rio Sena, Galerias Lafayette. Não tínhamos conhecido o Opera, as Galerias Printemps, o Museu D’Orsay, entre outros. Mas desta vez iríamos a esses e a outros locais, e, quem sabe, rever um (ou uns) daqueles outros.
      A viagem, fugindo ao nosso padrão, foi preparada muito antes da partida (por muito antes entenda-se uns quatro meses) e o hotel foi escolhido a dedo: no coração de Paris, na avenida Victoria, distante dois quarteirões do Louvre e a um quarteirão do Sena. Por coincidência, ao receber o e-mail de confirmação da reserva, ele estava escrito em português, com a surpresa adicional de que o “staff” falava a nossa língua (descobrimos depois, por intermédio do pessoal do hotel, que a sua dona fora casada com um jornalista brasileiro: ela falava fluentemente o português, com um quase imperceptível sotaque). Bem localizado, tão logo chegamos (no dia 9/11, por volta de meio-dia), foi só o tempo de tomar um banho e ir caminhando até o Louvre. Sem entrar, continuamos até a praça Les Tuileries (ou Jardim das Tulherias): as folhas caídas pelo rigor do outono parisiense formavam um tapete debaixo dos árvores. Após andar bastante e cansados pelo “jet lag”, comemos um lanche e voltamos ao hotel.
      No dia seguinte, logo após o café da manhã, fomos ao bairro Marais cujo início está a algumas quadras do hotel. Percorremos muitas ruas do bairro, parando na Place Des Vosges, pequena e linda, e continuamos a caminhada até entrar nas ilhas do Sena: a de Paris e a de São Luís. Entrar na Catedral Notre Dame era impossível: a fila era imensa. Ademais, já a tínhamos visitado em 2009 e com vagar. Continuando a caminhar, logo estávamos no hotel.
      No dia seguinte foi a vez do Museu D’Orsay: simplesmente maravilhoso e com quadros dos grandes pintores. Ali estão obras de Gauguin, Van Gogh, Mannet, Monnet e outros tantos. Depois de permanecer ali por algumas horas, fomos ao Santuário de Nossa Senhora da Medalha Milagrosa, depois aos Invalides, visitando a tumba de Napoleão, encerrando com uma visita noturna à Torre Eiffel.
      No dia seguinte –já era quinta-feira - foi a vez de visitar o Opera, com uma “esticada” às duas galerias que estão ali bem perto: Lafayette e Printemps.
      Na sexta-feira – e a nossa volta era no sábado – estivemos no Saint-German, depois de visitar a Saint Chapelle, “esticando” até o Jardim de Luxemburgo, maravilhoso em seus mais de duzentos mil metros quadrados e sem um papel de bala no chão.Nele, também, o espetáculo das folhas caídas, formando tapetes, é maravilhoso. Ao sair do hotel para o passeio, encontramos a proprietária e na conversa perguntamos sobre algum restaurante onde poderíamos jantar como despedida. Ela nos indicou um na Ilha de França, em que o “maïtre” é português, e se prontificou a fazer a reserva. Em tom de blague ela disse que pediria a melhor mesa, alegando que fazíamos aniversário de casamento. Disse isso rindo. Na volta ao hotel, fomos informados pela recepcionista que a reserva fora feita e para o horário das 20 horas e 30 minutos. Realmente, o “maïtre” era português, muito simpático e falador, e a mesa era a melhor: era no piso superior e pela janela enxergava-se a lateral da Catedral Notre Dame iluminada.
      No caminho de volta ao hotel, já passando das dez da noite, começamos a notar que muitos carros de polícia, bombeiros e resgate passavam em alta velocidade e com a sirene aberta. Como ali é o coração de Paris, era comum ouvir durante a noite uma ou outra sirene, mas na sexta-feira estava anormal. Entramos no quarto e recebi, no celular, um boletim do jornal El País dizendo que havia ocorrido um tiroteio num bar de Paris com sete baleados. Ligamos a televisão no canal BBC e a tragédia estava sendo transmitida ao vivo dos locais. A partir dessa hora o “inferno” de sirenes aumentou e cortou toda a madrugada.
      O Facebook localizou-me e enviou uma mensagem perguntando se eu me sentia seguro e respondi que sim. Eu não sabia do cuidado desse aplicativo e alguém me explicou que ele foi criado depois da tragédia no Nepal; disseram-me que se a pessoa responder que não, o Facebook procura entre os usuários próximos quem, em segurança, pode acolher aquele que está em perigo. Não foi somente ele: "choveram" mensagens perguntando se estávamos bem e uma vizinha telefonou para a nossa filha oferecendo a casa de sua filha que mora em Paris.
      Embora viéssemos no dia seguinte, sábado,  no voo das 21 horas, acolhendo uma recomendação que a prefeita fez a todos, não saímos do hotel, embora tivéssemos deixado um ou outro passeio para essa data.
      Havia alguma coisa no ar nos dias que antecederam os ataques: em vários pontos turísticos havia detector de metal, esteira com raio x, vigilância com soldados do exército usando fardas camufladas de combate e armamento pesado, como a indicar que os parisienses estivessem esperando alguma tragédia, que, desgraçadamente, ocorreu.
      Nosso receio era de que, com o fechamento das fronteiras, como anunciado, não fossem permitidos voos, o que impediria, com um atraso talvez, o nosso retorno, porém isso não aconteceu: o voo atrasou somente cinco minutos a despeito das extremas medidas de segurança no aeroporto.
      Como conseguimos retornar, nada melhor do que voltar à cidade-luz, a mais charmosa capital da Europa (quiçá do mundo). Em breve.
(Continua na parte II.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto