Pular para o conteúdo principal

Uma noite (de terror) em Paris - III



      O grupo terrorista VAR-Palmares detonou um carro-bomba no Quartel General do II Exército, no Ibirapuera, matando um dos soldados que estavam de sentinela, Mário Kozel Filho; por conta disso, foram os soldados da 1ª Companhia do 1° Batalhão de Carros de Combate Leves, localizado em Campinas, convocados para ir a São Paulo, pois as autoridades militares acreditavam que outros ataques seriam perpetrados.
      Colegas de farda foram me buscar em casa de madrugada para me levar ao quartel a fim de receber as ordens. Na noite da véspera, eu tinha ido com alguns amigos a uma festa junina e no caminho presenciamos um acidente de trânsito: na rua atrás do Liceu Nossa Senhora Auxiliadora, uma Kombi invadiu a contramão e abalroou uma lambreta, atingindo a perna do carona. Foram os dois ao chão e a perna do carona dobrou-se para trás como em um desenho animado. Ele urrava de dor. Tocamos a campainha de uma casa ali próxima e pedimos ao dono que chamasse a polícia e o socorro (este se chamava SAMDU) e continuamos nosso caminho em direção à casa em que seria a festa, próxima dali. Estávamos todos a pé.
      Quando meu pai me acordou na madrugada, dizendo “que um pessoal do exército” estava me procurando, inocentemente pensei que o motivo era para que eu prestasse depoimento sobre o acidente que presenciara: mal sabia, como soube anos depois ao me tornar advogado, que a demora é de meses, quiçá anos, para que uma pessoa testemunha seja chamada a depor. Ademais, não me ocorreu em que era na hora em que era acordado, eu não tinha dado o meu nome a ninguém como testemunha.
      Chegando ao quartel, fardados, fomos postos em forma – o dia estava alvorecendo – e nos foi explicado pelo comandante o que ocorrera – o atentado – e que nos dirigiríamos a São Paulo, pois se acreditava que outros aconteceriam. Os carros de combate seriam transportados pelo auto trem, uma invenção da época para transportar caminhões. Embarcados os carros, fomos para São Paulo, chegando no fim da tarde, parando na estação da Lapa, e ficamos aguardando ordem para desembarcar. A ordem não veio naquele dia e pernoitamos nos carros ou num dos vagões de passageiros que compunham o comboio.
      A ordem de desembarque não veio porque não houve mais ataque e enquanto esperávamos não pudemos tomar banho, nem trocar de roupa (cada qual levou quando muito uma “muda” de roupa), dormindo sentados no carro de combate ou num dos vagões. Neste ponto, parecia que estávamos numa guerra. Depois de três dias fomos autorizados a retornar a Campinas, mas na estação ferroviária – ainda era Companhia Paulista de Estrada de Ferro – também não pudemos desembarcar, pois o estado de prontidão perdurava. Mais uma noite mal dormida. Ocorreu um quase incidente: vimos uma pessoa passando furtivamente sobre os trilhos e, cada qual de nós (éramos três) armados com uma metralhadora Ina .45, que era a arma regulamentar dos componentes da guarnição do carro de combate, saímos em sua perseguição. Logrando alcança-lo, vimos que se tratava apenas de uma pessoa que “cortava caminho” pelos trilhos da ferrovia. Nada de terrorismo.
      Foi uma experiência intensa, embora na época eu tivesse 19 anos, idade em que parece não existir perigo: todas aquelas horas de tensão foram encaradas dentro da mais total normalidade. Mas hoje me preocupa o seguinte: e se eu tivesse matado alguém, ainda que culposamente? Ou seja: a minha arma disparando sem querer e atingindo alguém, matando-o? Ou dolosamente? Conseguiria conviver com isso?
      Talvez intensamente por este motivo é que em Paris, já bem longe dos 19 anos de idade, é que os covardes ataques, embora tenham ceifado 130 vidas, não provocaram temor em mim.
      A propósito: espero em breve retornar à “cidade-luz”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto