Pular para o conteúdo principal

De Rocha




    
        Ele não fazia jus ao apelido, foi o que pensei a primeira vez que o vi. Pensava que encontraria uma pessoa forte e sólida como uma rocha. Afinal, a acusação era de triplo homicídio qualificado e furto qualificado.
            Fui visitá-lo na cadeia do 2° Distrito Policial tão logo fui nomeado para defendê-lo. Ao ler o processo, e, mais especificamente, o seu interrogatório policial, em que ele confessou haver praticado, com outras pessoas, a morte daqueles três rapazes, mal entrados na maioridade penal, com 18 anos ou menos, prendeu-me a atenção um detalhe: como ele fugira do local.
            Era, por assim dizer, atividade de “justiceiro”, pois aqueles três rapazes eram acusados da prática de furtos em estabelecimentos comerciais no bairro em que moravam. O laudo do Instituto de Criminalística era impressionante, especialmente pelas fotografias que o ilustravam: uma delas mostrava os três rapazes mortos colocados sentados em uma cama no casebre em que moravam, postos de costas um para o outro, e amarrados; havia sangue para todos os lados. Detalhe: havia sido subtraído um aparelho de som de uma das vítimas.
            O detalhe em seu interrogatório policial que me chamou a atenção foi o seguinte: “De Rocha”, segundo disse ao Delegado de Polícia que presidiu o ato, havia fugido do local “de cavalinho” em um dos participantes daquela chacina. Fiquei com a curiosidade aguçada.
            Ele estava preso, por força de prisão preventiva, na cadeia do 2° Distrito Policial, que, naquela época, parecia um mercado persa: em razão da superlotação, as celas nem eram mais trancadas, ficando todos os presos no pátio, daí a semelhança com o mercado persa. Um dos presos indagou-me com quem eu queria falar. Anunciei o seu nome verdadeiro. O preso olhou para aquela turba e gritou: “De Rocha, advogado”. Do meio da multidão saiu uma pessoa usando duas muletas de braço, com dificuldade para caminhar. Foi nesse momento que não entendi o apelido, porém, imediatamente, entendi a fuga “de cavalinho”: a pressa em deixar o local fizera com que um dos participantes o levasse “de cavalinho”. Começamos a conversar. Indaguei se ele havia nascido com a deficiência; respondeu que não, que ficara assim em razão de um tiro que tomara. Notei que em sua cabeça havia falha de osso, típica de quem se submete a cirurgia cerebral e ainda não foi posta a placa de metal substitutiva do osso. Novamente acuado pela curiosidade, perguntei o que havia ocorrido; respondeu-me, novamente, que fora “um tiro”, disparado por seu irmão.
            Foi a julgamento pelos jurados de Campinas, tendo negado em plenário tanto a autoria dos três homicídios qualificados, quanto a do furto qualificado; porém, os jurados, levando em conta principalmente a confissão extrajudicial, condenaram-no pelos três homicídios, e o juiz lhe impôs a pena de 42 anos de reclusão. Quanto ao furto qualificado, que lhe valeria mais 2 anos de reclusão e multa, foram benevolentes: absolveram-no. Talvez como uma medida de consolação.
(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", Editora Millennium.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …