Pular para o conteúdo principal

De Rocha




    
        Ele não fazia jus ao apelido, foi o que pensei a primeira vez que o vi. Pensava que encontraria uma pessoa forte e sólida como uma rocha. Afinal, a acusação era de triplo homicídio qualificado e furto qualificado.
            Fui visitá-lo na cadeia do 2° Distrito Policial tão logo fui nomeado para defendê-lo. Ao ler o processo, e, mais especificamente, o seu interrogatório policial, em que ele confessou haver praticado, com outras pessoas, a morte daqueles três rapazes, mal entrados na maioridade penal, com 18 anos ou menos, prendeu-me a atenção um detalhe: como ele fugira do local.
            Era, por assim dizer, atividade de “justiceiro”, pois aqueles três rapazes eram acusados da prática de furtos em estabelecimentos comerciais no bairro em que moravam. O laudo do Instituto de Criminalística era impressionante, especialmente pelas fotografias que o ilustravam: uma delas mostrava os três rapazes mortos colocados sentados em uma cama no casebre em que moravam, postos de costas um para o outro, e amarrados; havia sangue para todos os lados. Detalhe: havia sido subtraído um aparelho de som de uma das vítimas.
            O detalhe em seu interrogatório policial que me chamou a atenção foi o seguinte: “De Rocha”, segundo disse ao Delegado de Polícia que presidiu o ato, havia fugido do local “de cavalinho” em um dos participantes daquela chacina. Fiquei com a curiosidade aguçada.
            Ele estava preso, por força de prisão preventiva, na cadeia do 2° Distrito Policial, que, naquela época, parecia um mercado persa: em razão da superlotação, as celas nem eram mais trancadas, ficando todos os presos no pátio, daí a semelhança com o mercado persa. Um dos presos indagou-me com quem eu queria falar. Anunciei o seu nome verdadeiro. O preso olhou para aquela turba e gritou: “De Rocha, advogado”. Do meio da multidão saiu uma pessoa usando duas muletas de braço, com dificuldade para caminhar. Foi nesse momento que não entendi o apelido, porém, imediatamente, entendi a fuga “de cavalinho”: a pressa em deixar o local fizera com que um dos participantes o levasse “de cavalinho”. Começamos a conversar. Indaguei se ele havia nascido com a deficiência; respondeu que não, que ficara assim em razão de um tiro que tomara. Notei que em sua cabeça havia falha de osso, típica de quem se submete a cirurgia cerebral e ainda não foi posta a placa de metal substitutiva do osso. Novamente acuado pela curiosidade, perguntei o que havia ocorrido; respondeu-me, novamente, que fora “um tiro”, disparado por seu irmão.
            Foi a julgamento pelos jurados de Campinas, tendo negado em plenário tanto a autoria dos três homicídios qualificados, quanto a do furto qualificado; porém, os jurados, levando em conta principalmente a confissão extrajudicial, condenaram-no pelos três homicídios, e o juiz lhe impôs a pena de 42 anos de reclusão. Quanto ao furto qualificado, que lhe valeria mais 2 anos de reclusão e multa, foram benevolentes: absolveram-no. Talvez como uma medida de consolação.
(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", Editora Millennium.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …