Pular para o conteúdo principal

A mentira no Código Penal - II


Capítulo I – Crime contra a vida

                        O Código Penal inicia a Parte Especial com o Título que cuida dos valores referentes à Pessoa (humana): o nome desse título é Crimes contra a Pessoa. No capítulo I deste título está a proteção à vida humana e a proteção se desenvolve em quatro artigos: homicídio, participação em suicídio, infanticídio e aborto. A vida já formada tirada por outra pessoa que não o seu titular; a vida já formada e o seu titular é ajudado a tirá-la; a vida já formada vindo à luz e quitada; e, finalmente, a vida em formação sendo interrompida.
                        No primeiro dos crimes contra a vida – o homicídio – há uma forma qualificada em que ocorre o emprego de mentira. É aquela em que o sujeito ativo utiliza “dissimulação” (artigo 121, § 2º, inciso IV). Mirabete diz que “a dissimulação é o emprego de recurso que distrai a atenção da vítima do ataque pelo agente. São exemplos dela o disfarce, referido expressamente pela lei anterior, como qualquer ato que iluda a vítima da agressão iminente, em especial no que se relacione ao porte da arma”[1]. Para Damásio, “existe dissimulação quando o criminoso age com falsas mostras de amizade. A qualificadora pode ser material ou moral. Material: caso de o sujeito se disfarçar para matar a vítima. Moral: quando ele dá mostras falsas de amizade para melhor executar o fato”[2]. Para Aníbal Bruno, “a dissimulação de quem se vale de qualquer ardil, para frustrar a atenção da sua vítima, e, assim, desapercebidamente acomete-la”[3]. Para Nélson Hungria, “dissimulação é a ocultação da intenção hostil, para acometer a vítima de surpresa. O criminoso age com falsas mostras de amizade, ou de tal modo que a vítima, iludida, não tem motivo para desconfiar do ataque e é apanhada desatenta e indefesa”[4]. Para Fernando Galvão, “a dissimulação, por sua vez, descreve o uso de disfarce quanto à intenção criminosa. A vítima percebe a presença do sujeito, mas não sua intenção hostil. O emprego de meio dissimulado assegura ao sujeito que a execução do crime atingirá a vítima de forma inesperada, quando esta se encontra desprevenida e enganada”[5]. Luiz Regis Prado descreve que “a dissimulação consiste na ocultação da intenção delitiva, para tornar mais custosa a defesa da vítima”[6]. Para Delmanto, “por este modo, o agente esconde ou disfarça o seu propósito, para atingir o ofendido desprevenido. Tanto qualifica a ocultação do propósito como o disfarce utilizado pelo próprio agente para se aproximar da vítima”[7].
                        Também no crime de “induzimento, instigação ou auxílio a suicídio”  (artigo 122 do Código Penal) pode haver o emprego de mentira, sob a forma de fraude. Conforme Mirabete, “a fraude pode ser meio do crime de induzimento, como no exemplo de Bento de Faria: ‘marido e mulher resolvem, sob juramento, morrer na mesma ocasião. Este, com o propósito de se desfazer dela, faz constar ou finge que morreu. Ela, fiel os juramento, põe termo à vida. Não há como negar que o marido concorreu para esse suicídio. Mas a fraude pode ser meio para o homicídio. Suponha-se a conduta daquele que entrega a outrem um revólver, dizendo-o descarregado, quando ocorre o contrário, e convence a vítima a puxar o gatilho após apontar a arma para a própria cabeça. Há homicídio e não induzimento a suicídio porque o ofendido não pretendia matar-se”[8].
                        O aborto apresenta-se sob duas formas: aborto provocado pela gestante (auto-aborto) ou com seu consentimento auto-aborto e  aborto provocado por terceiro; esta modalidade contém duas formas: aborto provocado com o consentimento da gestante e aborto provocado sem o consentimento da gestante. Uma das formas de aborto provocado por terceiro sem o consentimento ocorre quando a anuência da gestante é obtida mediante fraude. Como exemplo de fraude para a obtenção do consentimento Julio Fabbrini Mirabete assim se expressa: “exemplos desta última seriam os casos de convencer a gestante de que se está praticando uma intervenção cirúrgica para remover um tumor ou de fazê-la ingerir um abortivo supondo que se trata de um medicamento”[9]. O exemplo de emprego de fraude formulado por Damásio de Jesus é mais singelo: “dizer à gestante que o único meio de ela não morrer é submeter-se à prática abortiva”[10]. Segundo Luiz Regis Prado, “exemplos característicos de fraude são aqueles em que o agente ministra à mulher grávida substância abortiva ou nela realiza intervenção cirúrgica para a extração do feto sem o seu conhecimento”[11]. Na lição de Hungria, “fraude é todo ardil tendente a induzir outrem em erro. Assim, seria viciado pela fraude o consentimento da gestante, se a esta se convencesse, astuciosamente, que o prosseguimento da gravidez lhe acarretaria a morte”[12]. Damásio manifesta-se de forma quase idêntica: “exemplo de fraude: dizer à gestante que o único meio de ela não morrer é submeter-se à prática abortiva”[13]











[1]. Julio Fabbrini Mirabete, Manual de Direito Penal, Parte Especial, volume II, 27ª edição, 2010, Atlas, São Paulo, página 38 (itálico no original).
[2]. Direito Penal, Parte Especial, volume 2, 29ª edição, 2009, Saraiva, São Paulo, páginas 69 e 70.
[3]. Direito Penal, Parte Especial, volume IV, ª edição, 1972, Forense, Rio, página 83.
[4]. Comentário ao Código Penal, volume V, 3ª edição, 1955, Forense, Rio, página 166 (itálico no original).
[5]. Direito Penal, Crimes contra a Pessoa, 2013, Saraiva, São Paulo, página 52 (itálico no original).
[6].Curso de Direito Penal brasileiro, Parte Especial, volume 2, 5ª edição, 2006, RT, SP, página 70.
[7]. Código Penal comentado, 8ª edição, 2010, Saraiva, São Paulo, página 447.
[8]. Obra citada, página 48.
[9]. Obra citada, página 61.
[10]. Obra citada, página 126.
[11]. Obra citada, página 117.
[12]. Obra citada, página 295 (itálico no original).
[13]. Obra citada, página 126.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …