Pular para o conteúdo principal

A mentira no Código Penal



A mentira tem sido ao longo do tempo objeto de incontáveis estudos científicos: psicólogos, psiquiatras, sociólogos e estudiosos de outros ramos das ciências dedicaram a ela monografias, compêndios e tratados. O Direito também tem lhe dado atenção, seja para anular o ato eivado de mentira, seja para punir quem a utiliza no cometimento de algum fato.
                        A mentira é elemento constitutivo de vário tipos penais, e, por consequência, punida. Ela não está nos tipos com esse nome – mentira -, mas sob outras roupagens, como, por exemplo, “falsamente”, como está no crime de calúnia, ou “falsificar”, como em vários crimes contra a Fé Pública.
                        Noutros tipos legais, embora não conste da descrição típica, é uma forma de sua realização, como, por exemplo, o emprego de fraude para obter o consentimento da gestante à interrupção gravidez.
                        Serão abordados aqui os fatos definidos no Código Penal em que a mentira é elemento constitutivo, bem como aqueles em que ela, embora não descrita no tipo legal, é uma forma de alcançar o resultado.
     (A partir de hoje, serão publicados textos analisando os tipos penais em que há o emprego da mentira.)                  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto