Pular para o conteúdo principal

A mentira no Código Penal



A mentira tem sido ao longo do tempo objeto de incontáveis estudos científicos: psicólogos, psiquiatras, sociólogos e estudiosos de outros ramos das ciências dedicaram a ela monografias, compêndios e tratados. O Direito também tem lhe dado atenção, seja para anular o ato eivado de mentira, seja para punir quem a utiliza no cometimento de algum fato.
                        A mentira é elemento constitutivo de vário tipos penais, e, por consequência, punida. Ela não está nos tipos com esse nome – mentira -, mas sob outras roupagens, como, por exemplo, “falsamente”, como está no crime de calúnia, ou “falsificar”, como em vários crimes contra a Fé Pública.
                        Noutros tipos legais, embora não conste da descrição típica, é uma forma de sua realização, como, por exemplo, o emprego de fraude para obter o consentimento da gestante à interrupção gravidez.
                        Serão abordados aqui os fatos definidos no Código Penal em que a mentira é elemento constitutivo, bem como aqueles em que ela, embora não descrita no tipo legal, é uma forma de alcançar o resultado.
     (A partir de hoje, serão publicados textos analisando os tipos penais em que há o emprego da mentira.)                  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …