Pular para o conteúdo principal

O vestido de seda e o banco de couro



 
    
  Segundo a versão apresentada pelo Ministério Público para a morte do prefeito Toninho do PT, os tiros disparados contra o seu carro vieram do interior de um Vectra prata, no qual estavam “Anzo”, “Fiinho”, “Valmirznho”, e, claro, Wanderson Nilton de Paula Lima, alcunhado “Andinho”. Os disparos, ainda segundo a versão oficial, foram feitos por “Anzo”, reconhecido no mundo do crime por atirar por motivo de somenos. Os três primeiros foram mortos: “Anzo” e “Valmirzinho” em Caraguatatuba; “Fiinho” em uma chácara em Itu, ocasião em que “Andinho” foi detido.
      Essa versão foi dada por outro, por assim dizer, “colega” deles, que disse ter ouvido-a de “Anzo”: os quatro ocupantes do Vectra prata haviam abordado outro Vectra numa rua do bairro Chácara da Barra, também conhecido por Novo Cambuí, em que estavam um funcionário público aposentado e um pintor de paredes: ambos tinham ido a uma casa do primeiro para fazer um orçamento a fim de pintar o imóvel, que era destinado à locação. As circunstâncias da abordagem frustrada nunca ficaram esclarecidas e, empreendendo fuga o quarteto, na avenida Mackenzie, que então era de pista simples, tiveram que diminuir a velocidade por conta do carro – um Palio – de Toninho, que trafegava na velocidade permitida. Ao conseguirem ultrapassar, os disparos foram feitos e um deles acertou o prefeito, atravessando a parte de baixo do antebraço esquerdo, entrando no tórax por esse mesmo lado, perfurando os pulmões, saindo. O calibre da arma era 9mm. O Vectra prata foi encontrado e apreendido, sendo periciado. Era produto de um roubo na cidade mineira de Uberaba.
      Dias antes desse trágico evento, a filha de um empresário de Campinas fora sequestrada por “Valmirzinho” (e outras duas pessoas) e permanecera em poder dos seus algozes por várias horas. Ao assumir a defesa de “Andinho”, lembrei desse caso e assaltou-me uma dúvida: qual carro teria sido utilizado no sequestro da filha do empresário já que ao menos uma pessoa era comum nos dois casos: “Valmirzinho”.
      Para inteirar-me da situação, fui ao cartório da 4ª Vara Criminal de Campinas, por onde tramitavam os autos do sequestro e bingo! o carro era o mesmo: um Vectra prata. A perícia feita no carro apreendido no processo da morte do prefeito apontava que os bancos eram de tecido e isso chamou a minha atenção, pois no processo do sequestro, a filha do empresário descrevera os bancos do Vectra em que estivera por várias horas eram de couro e a sua conclusão derivava do fato de estar com um vestido de seda e nas curvas, quase sempre feitas em alta velocidade, ela “deslizava”.
      Ao me ser dada oportunidade de apresentar a defesa prévia no processo da morte do prefeito, arrolei a filha do empresário como testemunha para ao menos provar que não eram os mesmos carros utilizados por “Valmirzinho”, e, por consequência, enfraquecer a tese apresentada pelo Ministério Público para a morte do prefeito. Ela, evidentemente, ficara traumatizada com o fato do sequestro, e estava em prantos no dia do seu depoimento na Vara do Júri. O seu advogado, que eu conhecia de longa data, pediu-me que dispensasse o depoimento dela, mas, a fim de tranquiliza-lo (e a ela), informei-o que faria somente uma pergunta: de qual material era o banco do Vectra prata dirigido por “Valmirzinho” quando ela foi sequestrada? Feita e pergunta, veio a resposta: de couro. Por que? Porque eu estava usando um vestido de seda e “deslizava” nas curvas.
      Esse foi apenas um dos aspectos para desacreditar a tese oficial e que auxiliou no desfecho: a impronúncia de “Andinho”, com a qual o Ministério Público não se conformou, interpôs recurso que foi improvido pelo Tribunal de Justiça de São Paulo.
     

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …