Pular para o conteúdo principal

O vestido de seda e o banco de couro



 
    
  Segundo a versão apresentada pelo Ministério Público para a morte do prefeito Toninho do PT, os tiros disparados contra o seu carro vieram do interior de um Vectra prata, no qual estavam “Anzo”, “Fiinho”, “Valmirznho”, e, claro, Wanderson Nilton de Paula Lima, alcunhado “Andinho”. Os disparos, ainda segundo a versão oficial, foram feitos por “Anzo”, reconhecido no mundo do crime por atirar por motivo de somenos. Os três primeiros foram mortos: “Anzo” e “Valmirzinho” em Caraguatatuba; “Fiinho” em uma chácara em Itu, ocasião em que “Andinho” foi detido.
      Essa versão foi dada por outro, por assim dizer, “colega” deles, que disse ter ouvido-a de “Anzo”: os quatro ocupantes do Vectra prata haviam abordado outro Vectra numa rua do bairro Chácara da Barra, também conhecido por Novo Cambuí, em que estavam um funcionário público aposentado e um pintor de paredes: ambos tinham ido a uma casa do primeiro para fazer um orçamento a fim de pintar o imóvel, que era destinado à locação. As circunstâncias da abordagem frustrada nunca ficaram esclarecidas e, empreendendo fuga o quarteto, na avenida Mackenzie, que então era de pista simples, tiveram que diminuir a velocidade por conta do carro – um Palio – de Toninho, que trafegava na velocidade permitida. Ao conseguirem ultrapassar, os disparos foram feitos e um deles acertou o prefeito, atravessando a parte de baixo do antebraço esquerdo, entrando no tórax por esse mesmo lado, perfurando os pulmões, saindo. O calibre da arma era 9mm. O Vectra prata foi encontrado e apreendido, sendo periciado. Era produto de um roubo na cidade mineira de Uberaba.
      Dias antes desse trágico evento, a filha de um empresário de Campinas fora sequestrada por “Valmirzinho” (e outras duas pessoas) e permanecera em poder dos seus algozes por várias horas. Ao assumir a defesa de “Andinho”, lembrei desse caso e assaltou-me uma dúvida: qual carro teria sido utilizado no sequestro da filha do empresário já que ao menos uma pessoa era comum nos dois casos: “Valmirzinho”.
      Para inteirar-me da situação, fui ao cartório da 4ª Vara Criminal de Campinas, por onde tramitavam os autos do sequestro e bingo! o carro era o mesmo: um Vectra prata. A perícia feita no carro apreendido no processo da morte do prefeito apontava que os bancos eram de tecido e isso chamou a minha atenção, pois no processo do sequestro, a filha do empresário descrevera os bancos do Vectra em que estivera por várias horas eram de couro e a sua conclusão derivava do fato de estar com um vestido de seda e nas curvas, quase sempre feitas em alta velocidade, ela “deslizava”.
      Ao me ser dada oportunidade de apresentar a defesa prévia no processo da morte do prefeito, arrolei a filha do empresário como testemunha para ao menos provar que não eram os mesmos carros utilizados por “Valmirzinho”, e, por consequência, enfraquecer a tese apresentada pelo Ministério Público para a morte do prefeito. Ela, evidentemente, ficara traumatizada com o fato do sequestro, e estava em prantos no dia do seu depoimento na Vara do Júri. O seu advogado, que eu conhecia de longa data, pediu-me que dispensasse o depoimento dela, mas, a fim de tranquiliza-lo (e a ela), informei-o que faria somente uma pergunta: de qual material era o banco do Vectra prata dirigido por “Valmirzinho” quando ela foi sequestrada? Feita e pergunta, veio a resposta: de couro. Por que? Porque eu estava usando um vestido de seda e “deslizava” nas curvas.
      Esse foi apenas um dos aspectos para desacreditar a tese oficial e que auxiliou no desfecho: a impronúncia de “Andinho”, com a qual o Ministério Público não se conformou, interpôs recurso que foi improvido pelo Tribunal de Justiça de São Paulo.
     

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …