Pular para o conteúdo principal

Conspurcar



            O verbo conspurcar, segundo os léxicos, significa sujar, manchar, e nos crimes do vasto painel incriminador brasileiro há um delito que contém esse verbo. A criminalização da conduta ali descrita resultou de um longo debate doutrinário e jurisprudencial sobre a “pichação”. Esta atividade, que alguns poucos veem como arte, era entendida por alguns autores e aplicadores da lei penal como crime de dano, artigo 163 do Código Penal. Outros, com razão, afirmavam que a “pichação” não se constituía nessa espécie delituosa, pois ela não se amoldava aos três verbos constantes do tipo: destruir, inutilizar ou deteriorar. Rara vez a “pichação” podia realizar o tipo, pois ela é feita principalmente sobre muros e não chega a destruí-los, inutiliza-los ou deteriora-los.
            O problema foi resolvido com a aprovação da lei de proteção ao meio ambiente, ou seja, a dos crimes ambientais (nº 9.605/98), que no artigo 65 pune a pichação e a conspurcação[1].
            Aqueles dois rapazes mal entrados na maioridade penal eram acusados de haver cometido esse delito e a sua conduta consistiu no fato de escreverem nas paredes do banheiro de uma escola municipal dizeres... bem, quais dizeres são escritos em banheiro? Pornográficos, obviamente. Ou seja, haviam conspurcado aquele próprio municipal. Como eu sempre fazia, li o “t.c.o.” ("termo circunstanciado de ocorrência") e fui conversar com eles a fim de explicar-lhes que, se eles aceitassem a proposta de transação penal,  cumprissem-na, tudo aquilo seria arquivado. Pensei: como explicar a eles que estavam sendo acusados de conspurcar um banheiro de escola? Certamente, eu poderia ser mal compreendido. Porém, com toda cautela, e usando o verbo do tipo penal, expliquei-lhes a acusação e mais, que seria feita a proposta de doação de uma cesta básica a uma entidade de caridade que, se aceita e cumprida, acarretaria o arquivamento da “papelada”.
            Entramos na sala. A juíza explicou-lhes tudo e eles a princípio negaram terem feito qualquer “conspurcação”, e num banheiro! Talvez tivessem pensado ter ouvido "copular". Depois de esclarecido o sentido da palavra e vencida esta parte da audiência, em que não se discute se a pessoa é culpada ou não, fomos à segunda parte: eles aceitariam a transação, mas, por serem pobres, não poderiam fazer a doação. Finalmente, concordaram em prestar algumas horas de serviço à comunidade, com o que a audiência pôde ser encerrada.
            Pois é: conspurcar (ou pichar) é crime ambiental.



[1]. Assim é o texto legal: “pichar ou por outro meio conspurcar edificação ou monumento urbano”, com a pena de detenção de 3 meses a 1 ano.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto