Pular para o conteúdo principal

Abortos



      
      O aborto é daqueles delitos que mais ocupam o “campo escuro” ou “cifra negra” da criminalidade, pois é uma infração penal em que “vítima”[1] não tem nenhum interesse na punição do sujeito ativo.  Exceto na hipótese do aborto sem o consentimento da gestante, de ocorrência rara, nas outras duas modalidades – auto-aborto e aborto com o consentimento da gestante – a descoberta do delito somente ocorre quando há alguma complicação, como, por exemplo, uma hemorragia.
            E depois do advento da lei nº 9.099/95, que instituiu o JECrim – Juizado Especial Criminal -, passou a ser possível a suspensão processual em alguns casos de aborto, o que significa dizer que raramente a pessoa acusada é submetida a julgamento (vale lembrar que o aborto é um dos quatro crimes [dolosos] contra a vida que são julgados pelo Tribunal do Júri): se transcorrer o prazo de suspensão, que é geralmente fixado no mínimo (2 anos) sem nenhum incidente, é extinta a punibilidade e o processo é arquivado.
            Num dos poucos casos de aborto em que trabalhei houve a suspensão: a ré, uma comerciária de pouco mais de 18 anos, fora a uma farmácia e comprara um remédio para o estômago que provocava o aborto. Sim, ela sabia que estava grávida e adquiriu o remédio exatamente com a finalidade de abortar, já que não tinha nenhum problema estomacal. Houve uma complicação e ela foi ao pronto-socorro: atendida, descoberta a manobra abortiva, a polícia foi comunicada.  Houve inquérito, o Ministério Público denunciou-a e, ao receber a denúncia, o magistrado designou audiência para interroga-la e fazer a proposta de suspensão, que deve ser aceita pela pessoa que deve estar acompanhada de advogado. Conversei com a ré antes da audiência e expus tudo isso a ela e ela disse que iria aceitar a proposta de suspensão. Aceitou e o juiz determinou ao escrevente que imprimisse o termo. Este termo já fica “pronto” no computador, faltando apenas preencher o nome da pessoa acusada. Naquele termo constava como uma das condições da suspensão “não frequentar prostíbulo durante o prazo de suspensão”, condição que geralmente se aplica a processo movido contra homem. Antes que ela assinasse, li o termo e fiquei estarrecido: expliquei ao juiz que como seria possível uma comerciária ter motivo para frequentar um prostíbulo; ademais, que era algo até ofensivo à ré. Imediatamente, o magistrado mandou corrigir o equívoco e novo termo, sem essa condição estapafúrdia, foi impresso.
            Outro caso em que trabalhei eram duas pessoas acusadas: um casal de namorados, ambos mal entrados na maioridade penal. Ela engravidara e ele comprou o mesmo remédio com efeito colateral abortivo. Ela ingeriu-o e foi, sem ele, porém com umas amigas, passar o domingo numa represa numa cidade próxima a Campinas e ali teve complicação pós-aborto (este tipo de delito somente é descoberto por conta das complicações, pois a “vítima” não tem interesse na punição do sujeito ativo). Foi ao pronto-socorro, onde foi atendida e, constatado o aborto, foi acionada a policia. Como as manobras abortivas se deram em Campinas, para cá foi enviado o inquérito policial. Ambos foram denunciados e foi feita a proposta de suspensão, imediatamente aceita. Porém, o réu envolveu-se em outros crimes, de extorsão mediante sequestro, e a suspensão foi revogada, tendo o processo tomado o seu curso normal, culminando com o seu julgamento em plenário. Não consegui convencer os jurados, nem por escassa maioria, de que deveriam absolver o réu: eles o condenaram. O juiz impôs-lhe a pena mínima e como ele era menor de 21 anos na época do fato, teve o prazo prescricional reduzido de metade, tendo, assim, extinta a punibilidade pela prescrição.


[1]. Vítima entre parênteses porque, embora a ação seja exercida contra a gestante, o sujeito passivo é o feto. Uma parte da doutrina mais moderna inclina-se pela colocação do Estado como vítima da ação delituosa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto