Pular para o conteúdo principal

Abortos



      
      O aborto é daqueles delitos que mais ocupam o “campo escuro” ou “cifra negra” da criminalidade, pois é uma infração penal em que “vítima”[1] não tem nenhum interesse na punição do sujeito ativo.  Exceto na hipótese do aborto sem o consentimento da gestante, de ocorrência rara, nas outras duas modalidades – auto-aborto e aborto com o consentimento da gestante – a descoberta do delito somente ocorre quando há alguma complicação, como, por exemplo, uma hemorragia.
            E depois do advento da lei nº 9.099/95, que instituiu o JECrim – Juizado Especial Criminal -, passou a ser possível a suspensão processual em alguns casos de aborto, o que significa dizer que raramente a pessoa acusada é submetida a julgamento (vale lembrar que o aborto é um dos quatro crimes [dolosos] contra a vida que são julgados pelo Tribunal do Júri): se transcorrer o prazo de suspensão, que é geralmente fixado no mínimo (2 anos) sem nenhum incidente, é extinta a punibilidade e o processo é arquivado.
            Num dos poucos casos de aborto em que trabalhei houve a suspensão: a ré, uma comerciária de pouco mais de 18 anos, fora a uma farmácia e comprara um remédio para o estômago que provocava o aborto. Sim, ela sabia que estava grávida e adquiriu o remédio exatamente com a finalidade de abortar, já que não tinha nenhum problema estomacal. Houve uma complicação e ela foi ao pronto-socorro: atendida, descoberta a manobra abortiva, a polícia foi comunicada.  Houve inquérito, o Ministério Público denunciou-a e, ao receber a denúncia, o magistrado designou audiência para interroga-la e fazer a proposta de suspensão, que deve ser aceita pela pessoa que deve estar acompanhada de advogado. Conversei com a ré antes da audiência e expus tudo isso a ela e ela disse que iria aceitar a proposta de suspensão. Aceitou e o juiz determinou ao escrevente que imprimisse o termo. Este termo já fica “pronto” no computador, faltando apenas preencher o nome da pessoa acusada. Naquele termo constava como uma das condições da suspensão “não frequentar prostíbulo durante o prazo de suspensão”, condição que geralmente se aplica a processo movido contra homem. Antes que ela assinasse, li o termo e fiquei estarrecido: expliquei ao juiz que como seria possível uma comerciária ter motivo para frequentar um prostíbulo; ademais, que era algo até ofensivo à ré. Imediatamente, o magistrado mandou corrigir o equívoco e novo termo, sem essa condição estapafúrdia, foi impresso.
            Outro caso em que trabalhei eram duas pessoas acusadas: um casal de namorados, ambos mal entrados na maioridade penal. Ela engravidara e ele comprou o mesmo remédio com efeito colateral abortivo. Ela ingeriu-o e foi, sem ele, porém com umas amigas, passar o domingo numa represa numa cidade próxima a Campinas e ali teve complicação pós-aborto (este tipo de delito somente é descoberto por conta das complicações, pois a “vítima” não tem interesse na punição do sujeito ativo). Foi ao pronto-socorro, onde foi atendida e, constatado o aborto, foi acionada a policia. Como as manobras abortivas se deram em Campinas, para cá foi enviado o inquérito policial. Ambos foram denunciados e foi feita a proposta de suspensão, imediatamente aceita. Porém, o réu envolveu-se em outros crimes, de extorsão mediante sequestro, e a suspensão foi revogada, tendo o processo tomado o seu curso normal, culminando com o seu julgamento em plenário. Não consegui convencer os jurados, nem por escassa maioria, de que deveriam absolver o réu: eles o condenaram. O juiz impôs-lhe a pena mínima e como ele era menor de 21 anos na época do fato, teve o prazo prescricional reduzido de metade, tendo, assim, extinta a punibilidade pela prescrição.


[1]. Vítima entre parênteses porque, embora a ação seja exercida contra a gestante, o sujeito passivo é o feto. Uma parte da doutrina mais moderna inclina-se pela colocação do Estado como vítima da ação delituosa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …