Pular para o conteúdo principal

O Papa Francisco e Auschwitz




      Em visita à Polônia, o Papa Francisco esteve em Auschwitz, o mais famoso campo de concentração e de extermínio do nazismo, e as fotos feitas dele mostram-no em atitude silenciosa e reverente. Pudera: o local impressiona.
      A começar pela inscrição no portão de entrada - o trabalho liberta (“arbeit macht frei”) – que representa um sarcasmo desmedido dos nazistas já que os que para ali enviados trabalhavam até morrer e a única libertação que poderiam ter era a provocada pela morte. O autor do mais importante livro – É isto um homem? - escrito por um sobrevivente desse campo (na verdade era um complexo de campos), Primo Levi, narra que quando ali chegou logo perguntou sobre se era possível fugir e obteve esta resposta: “a única forma de sair daqui é pela chaminé”. Ele não entendeu, mas depois lhe foi explicado: era ter o corpo cremado.
      Depois do choque ao ler a inscrição no portão de entrada, há os pavilhões onde ficavam alojados os prisioneiros (como se sabe, não eram apenas os judeus que eram para ali enviados, mas criminosos alemães, poloneses e outros), com incontáveis beliches em que se amontoavam várias pessoas. Um pavilhão foi transformado num, por assim dizer, museu, em que estão os cabelos cortados dos prisioneiros. Dizia-se que seriam utilizados na fabricação de fardas dos soldados alemães.
      Em outro pavilhão também transformado em mini-museu, estão as bagagens dos prisioneiros - ao serem praticamente sequestrados, eles eram enganados e pensavam que voltariam e estão escritos o nome e o endereço do proprietário como se ele um dia fossem reavê-las. Há outro, em que estão as próteses que os prisioneiros usavam, tais como óculos.
      Toda a propriedade está circundada por cercas metálicas praticamente intransponíveis: além do arame farpado, eram eletrificadas e há casos de prisioneiros que se suicidaram jogando-se nela para morrer eletrocutado.
      A curta – e não há como ser mais longa - visita guiada ao campo termina no pavilhão que era o “banheiro” e o crematório. A primeira coisa que se avista é a chaminé e não há como não pensar em Primo Levi. No interior da construção há o “banheiro” em que os chegados eram ordenados a se despir para tomar um banho como medida de limpeza, mas eram mortos com gás (num dos pavilhões, há latas desse veneno). Ao lado há os aparelhos de cremação, semelhantes a uma autoclave, e não há como não se arrepiar ao saber que muitos corpos foram ali cremados especialmente quando se adotou “a solução final”.
      Uma visita ao local mostrará os horrores que ele representou; além disso, há filmes e fotos feitos por soldados alemães, porém a leitura do livro de Primo Levi representa uma visão definitiva sobre o local.
     






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …