Pular para o conteúdo principal

O que fizeram com Campinas


 
      Minha família veio de mudança para Campinas no dia 4 de fevereiro de 1964 e eu era ainda um adolescente. Fomos obrigados a sair da pequena cidade em que morávamos – Jaú – porque ali não havia nenhuma unidade de ensino superior: a mais próxima era na vizinha cidade de Bauru. Com os filhos precisando “sair de casa” para estudar, a única opção foi a mudança. E esta veio como a realização de um sonho: afinal, aqui passávamos muitas férias, pois aqui moravam os meus avós maternos, bem como alguns tios e primos, que mais pareciam amigos do que parentes. Ademais, em Campinas havia bonde e prédios com elevador. Lembro da linha do bonde Guanabara 4 (o mesmo número do ônibus urbano, da única empresa – CCTC [Companhia Campineira de Transportes Coletivos]), cujo ponto final era na avenida Barão de Itapura, ao lado da Igreja Nossa Senhora Auxiliadora. O Edifício Catedral, com a frente para a avenida Francisco Glicério e ao lado do largo da catedral foi um dos primeiros a ter elevador. Havia, também, aqui, pastelaria – e de propriedade de chineses. Era uma delícia comer um pastel ou uma esfiha, bebendo um refrigerante de maçã da Vanucci, ou um Crush. Havia ainda as Lojas Americanas na Rua 13 de Maio e o charme de tomar um lanche ali: um clube lasa, por exemplo, ou mesmo um cachorro quente, que não era feito com a quantidade absurda de acompanhamentos, como milho verde, por exemplo. Esse centro da cidade hoje se tornou um local de lojas populares (antes, havia um “camelódromo” enorme), com algumas praças tomadas por sem-teto: a defronte o fórum e a da catedral servem como exemplos.
      Meus avós maternos moravam num casarão (que não existe mais) na Rua Duque de Caxias, bem defronte à Praça Sylvia Simões Magro (não tinha então esse nome), conhecida na época (e ainda hoje) por Largo São Benedito. Frequentávamos muito a praça e nela, como nas outras, havia um zelador, que, munido de um apito, trilava à vista da menor irregularidade – pisar na grama, por exemplo. As praças eram muito bem conservadas.
      Com mais de um milhão de habitantes, Campinas ficou uma cidade feia, suja, sem atrativos. Isso me doeu mais ao visitar a cidade de Mendoza, na Argentina. Com pouco mais de duzentos e cinquenta mil habitantes, a cidade surpreende por alguns detalhes. O número de praças, por exemplo: são cinco, enormes, limpas e com fontes. A maior é a Independência. Há um parque enorme, muito bem conservado, chamado Parque Del Aborigen, lindo. E, no alto de um morro, há um monumento ao exército dos Andes: nesse local tem-se uma vista ampla, avistando-o inclusive a Cordilheira dos Andes. Há um aquário municipal, bem como um serpentário. As atrações turísticas fizeram com que fosse criado o passeio em ônibus aberto, o famoso “sightseeing”.
      Era indefectível a comparação entre as praças: as de Campinas estão degradadas, sujas, e o único cuidado que se tem com elas é a varrição (durante o processo que apurou a morte do prefeito Toninho do PT mostrou-se que a limpeza urbana é um dos maiores focos de corrupção [a morte do prefeito Celso Daniel também]). Símbolo da degradação das praças campineiras é a Imprensa Fluminense, mais conhecida por “centro de convivência cultural”: revitalizada há pouco mais de um ano, está toda pichada e o lixo abunda ali. Para não fazer jus ao provérbio espanhol “se hay gobierno, yo soy contra”, a culpa da sujeira não é totalmente do poder público: é também do povo, que não tem nenhum respeito. Nisso, o Estado tem culpa pois não dá a educação que a faça respeitar os bens públicos.
      Aproximando-se a eleição para prefeito e vereadores, fica a pergunta: o que fizeram com Campinas?
       

Comentários

  1. Sempre que vejo a falta dr estrutura em nossa cidade , lembro que nas aulas a chamava de " sepulcro " . Tantos anos se passaram e ela só piorou, não temos um parque descente, teatro com infraestrutura só no Shopping, museu que valha a pena visitar, nem pensar ... E tinha tudo pra se tornar uma cidade referência! Sem contar que nem hospitais particulares, temos pra atender com um minimo de conforto a população atual... Triste o que fizeram com ela, até as Andorinhas se foram ...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …