Pular para o conteúdo principal

A polícia legislativa do Senado


 
            Estouraram na mídia, é melhor que sejam assim chamadas, as peripécias (podem também ser intituladas “travessuras”) de uma tal polícia legislativa do Senado Federal, justamente quando Renan Calheiros, o seu presidente, é objeto de várias investigações ligadas à Operação Lava-Jato: as operações consistiram em “varredura” nas residências de algumas pessoas que não possuem nenhuma ligação com essa casa legislativa, como por exemplo, um ex-senador (o infelizmente imortal José Sarney) e um ministro do Tribunal de Contas da União. Todas autorizadas pelo presidente.
            O Estado detém o poder de polícia (recordo que, na parte dissertativa do concurso ao cargo de Procurador do Estado a que me submeti  - e fui aprovado - no longínquo ano de 1978, o tema era “poder de polícia”. Tão logo foi anunciado, “garrei escrever” – como se dizia antanho – e obtive a nota máxima: eu o tinha estudado muito). A Constituição da República Federativa, com as alcunhas de “lei das leis”, “magna carta”, “lei maior”, prevê, no artigo 144, as seguintes espécies de polícia: a) polícia federal; b) polícia rodoviária federal; c) polícia ferroviária federal, polícias civis, e d) polícias militares e corpos de bombeiros militares.  No parágrafo 8° desse artigo está escrito que “os Municípios poderão constituir guardas municipais destinadas à proteção de seus bens, serviços e instalações, conforme dispuser a lei”. Logo se vê que não se trata de polícia e que tem a destinação específica descrita no referido parágrafo.
     Uma primeira questão que se coloca é a seguinte: qual norma jurídica criou essa “polícia legislativa”? Ela foi criada por uma resolução do Senado Federal, a de número 1 do ano de 1950. que determinava que o Serviço de Segurança (que depois tomou o nome de Polícia Legislativa do Senado) era “responsável pelo policiamento do edifício do Senado”. Nada mais. Outra resolução, a de número 59, de 5 de dezembro de 2002, especificou as atribuições dessa “polícia” :
§ 1º São consideradas atividades típicas de Polícia do Senado Federal:
I – a segurança do Presidente do Senado Federal, em qualquer localidade do território nacional e no exterior;
II – a segurança dos Senadores e autoridades brasileiras e estrangeiras, nas dependências sob a responsabilidade do Senado Federal;
III – a segurança dos Senadores e de servidores em qualquer localidade do território nacional e no exterior, quando determinado pelo Presidente do Senado Federal;
IV – o policiamento nas dependências do Senado Federal;
V – o apoio à Corregedoria do Senado Federal e às comissões parlamentares de inquérito; (atribuição acessória – art. 8º do Ato da Comissão Diretora nº 14, de 2005)
VI – as de revista, busca e apreensão;
VII – as de inteligência;
VIII – as de registro e de administração inerentes à Polícia;
IX – as de investigação e de inquérito.
Ainda essa mesma norma estabelece que (§ 3º) o inquérito será enviado, após a sua conclusão, à autoridade judiciária competente. Entenda-se: competente para julgar.
Vale registrar que essa polícia com atribuições tão restritas tem equipamentos mais sofisticados para executa-las (como a “maleta de varredura”) e o vencimento mensal de cada membro é superior aos de todas as polícias de verdade: mais de 17 mil reais. (Está aberto concurso para o preenchimento de cargos: o candidato precisa ter nível médio: as carreiras jurídicas, que não remuneram tão bem, exigem nível superior, e, em alguns casos, experiência de alguns anos. Quem se habilita?)
     Como se percebe facilmente, a tal polícia legislativa tem atribuição para atuar dentro das dependências daquela casa legislativa ou em locais sob sua responsabilidade. A casa de um senador, por exemplo?. Talvez interpretando extensivamente as frases “as de inteligência” e “dependências sob a responsabilidade do Senado”, (local em que moram os seus membros?), foi o que permitiu que fossem feitas “varreduras” em casas de parlamentares.  A não ser que essa interpretação leve em conta a segurança dos senadores, mas há sempre a limitação territorial: nas dependências do Senado.
     Algumas atribuições da polícia legislativa são inteiramente inexequíveis: a de busca e apreensão, por exemplo. A única autoridade que pode determinar a busca e apreensão é o juiz de Direito (entenda-se aqui, se for o caso, um desembargador ou um ministro). A não ser que essa polícia senatorial pretenda cumprir mandado de busca e apreensão expedido pela Justiça Federal, caso deva a busca ser realizada nas dependências do Senado. Pretensão, diga-se logo, totalmente absurda.
     O que se percebe nos vários capítulos desse episódio é que aconteceu mais uma “cabeluda”[1] do presidente daquela casa legislativa quando determinou operações policiais que jamais poderiam ser feitas, seja pelo âmbito restrito de suas atribuições, seja pelo local em que suas atividades devem ser realizadas, e a lição que deve ser extraída é que se trata de uma instituição inútil e como tal propícia à prática de ilegalidades. Apenas para lembrar, Renan é o último representante do coronelismo nordestino. Um deles, o maior, ACM, foi retirado da vida pública pela morte. O outro, José Sarney, retirou-se, não sem antes sobreviver, como um camaleão a diversos governos e tornar o Maranhão o estado com pior índice de desenvolvimento humano (IDH) - para os demais, porque os seus familiares desenvolveram-se muito, tornando-se ricos. A atividade de segurança das dependências do Senado bem poderia ser exercida por uma empresa de segurança particular: ficaria mais barato e certamente não seriam cometidas ilegalidades.



[1] . Ver no blog a postagem “Mais uma cabeluda do Renan” – http://silvioartur.blogspot.com.br/2013/12/mais-uma-cabeluda-do-renan.html

Comentários

  1. Perfeito como sempre. Agora, frente a uma injustiça, é que ouvimos o grito dos justos ou o silêncio dos covardes. A resposta do STF é que irá mostrar se a lei é maior que cada cidadão, ou se Lula estava certo na conversa com Dilma, interceptada por Sérgio Moro. Um abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto